Quilos a mais, mas não obesidade, aumentam a longevidade

VEJA

     Apresentar alguns quilos a mais na balança não necessariamente significa uma saúde pior, indicou um novo trabalho publicado nesta quarta-feira no periódico The Journal of the American Medical Association (JAMA). Após revisarem quase 100 estudos sobre a relação entre índice de massa corporal (IMC) e mortalidade, pesquisadores americanos concluíram que, de maneira geral, pessoas com sobrepeso (IMC de 25 a 30) vivem mais do que aquelas que têm peso normal (IMC de 18.5 a 25) ou que são obesas (IMC maior do que 30).

     A pesquisa, feita por especialistas do Centro para Controle e Prevenção de Doenças, o CDC, órgão de saúde dos Estados Unidos, cruzou os dados de 97 estudos que, ao todo, envolveram 2,8 milhões de indivíduos de diversas regiões do mundo. Segundo os resultados, pessoas com sobrepeso apresentaram um risco 6% menor de morrer por qualquer causa em comparação com os participantes que tinham peso normal. Essas chances, por outro lado, são 18% maiores entre indivíduos obesos, independentemente do grau do problema.

     Porém, quando os autores olharam apenas para as pessoas com obesidade grau 1 (IMC entre 30 e 35), eles não observaram um risco maior de morte em comparação com aquelas de peso normal. A maior probabilidade de morte foi encontrada entre participantes com obesidade de graus 2 ou 3 (IMC maior do que 35), que apresentaram um risco 29% maior de morrer por qualquer causa em comparação com pessoas de peso normal.

     Para os pesquisadores, esses resultados fornecem novas perspectivas sobre a relação entre peso corporal e fatores de risco para a saúde. No entanto, as conclusões devem ser interpretadas com algumas ressalvas, já que o estudo levou em consideração apenas o IMC dos participantes, e não outras medidas de saúde relacionadas ao peso, como hipertensão e diabetes, por exemplo. “Nós não estamos tentando estipular alguma recomendação, mas sim mostrar que o excesso de peso nem sempre é tão letal quanto imaginamos”, afirmaram os autores.

Matéria disponível em VEJA

Número de pessoas “sem religião” cresce no Brasil e preocupa líderes cristãos, diz pesquisador

Por Tiago Chagas, para o Gospel Mais

     A mudança social vivenciada pelo Brasil nos últimos anos não é protagonizada apenas pelo crescimento dos evangélicos no país, como atestou o Censo 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    O número de pessoas sem religião também cresceu notavelmente, e já incomoda instituições religiosas. “O movimento mais preocupante para a igreja não é o de quem muda de religião, mas o de quem simplesmente não se interessa por ela”, afirmou Dario Rivera, professor da Universidade Metodista de São Paulo, em entrevista à Folha de S. Paulo, enfatizando que essa tendência é mais forte entre os jovens.

    As pessoas identificadas como sem-religião são categorizados em um grupo diferente de ateus, por exemplo. Estes não creem em Deus ou qualquer figura que seja adorada por alguma crença.

    “O que nós estamos vendo é que, nos mesmos bairros de baixa renda onde há uma proliferação de igrejas pentecostais [evangélicas], uma quase colada na outra, há muita gente que diz não ter religião”, afirma Rivera, que coordena um grupo de pesquisa chamado Religião e Periferia na América Latina.

    Segundo Dario Rivera, comunidades antes marcadas pela forte crença religiosa e maioria católica, como bairros rurais, favelas e periferias das grandes cidades, agora já abrigam um número razoável de pessoas que não aderem a nenhuma crença.

     Essa mudança social tem revelado ainda, um relacionamento pragmático com a fé por parte dos habitantes desses locais, quase sempre pessoas de baixa renda: “A verdade é que essa é uma hipótese consensual que nunca foi testada”, diz o professor, que revela casos de pessoas que vão à igreja em busca de assistência, e uma vez com seus problemas solucionados, a frequência nos cultos se torna desnecessária.

     Essa nova “prática religiosa” tem estimulado a migração de fiéis da Igreja Católica para igrejas pentecostais em geral, segundo André Ricardo de Souza, professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFScar).

     “Desse ponto de vista, a flexibilidade das igrejas evangélicas acaba fazendo com que elas abocanhem mais ovelhas desgarradas do rebanho católico. Além do discurso mais objetivo, como o uso de slogans do tipo ‘aqui o milagre acontece’, essas igrejas estão abertas todos os dias da semana, praticamente o dia todo. Você entra e resolve seu problema, enquanto a igreja católica da paróquia passa a maior parte do tempo fechada”, resume Souza.

Matéria disponível em GOSPEL MAIS

Incomodados com som, pai e filho invadem igreja e atiram contra jovem

Folha Gospel

     Um adolescente, de 16 anos, levou um tiro de raspão no braço e foi agredido com chutes e socos após um culto na Igreja Assembléia de Deus Ministério Gerizim, na noite deste sábado (23) no Jardim Santa Clara, em Sumaré (SP

     Os suspeitos da ação são vizinhos do templo e estariam incomodados com o barulho, segundo a Polícia Militar. Eles foram presos.

De acordo com o pastor titular da igreja, Alessandro Ricardo Pereira Godoy, os agressores são pai e filho, um de 57 anos e outro com idade entre 20 e 30 anos. Um pastor, de Bertioga (SP), também foi agredido, segundo testemunhas. Cerca de 30 pessoas estavam no local na hora da confusão, por volta das 21h.

Godoy disse que após o culto terminar os suspeitos atravessaram a rua e começaram a agredir com tapas e socos o religioso de Bertioga, que falava ao celular na calçada. Após a confusão, o suspeito de 57 anos voltou para casa, pegou uma arma de fogo e foi para dentro do templo do Ministério Gerizim.

Ameaças

Na a igreja, apontou a arma para o pastor Godoy, que se escondeu no banheiro. Depois, pai e filho teriam ido em direção ao jovem de 16 anos para agredi-lo.

A cozinheira Lindinalva Pereira Cunha, que estava no culto, relata que tentou separar o adolescente dos agressores, mas não conseguiu. Depois de dar socos e pontapés no rapaz, o homem deu um tiro à queima roupa que acertou o braço do jovem.

Ele foi levado ao Hospital Estadual de Sumaré e não corre risco de morte. “Foi muita crueldade. Tentou matar um menino de 16 anos. Tentei separar, mas eles me jogaram do altar”, lembra Lindinalva. Na igreja ainda havia marcas de sangue na manhã deste domingo.

Tiros

     Depois de atirar contra o jovem o vizinho foi procurá-lo no banheiro, segundo o pastor. Como a porta estava trancada ele deu um tiro na fechadura, que ficou destruída. O religioso conseguiu fugir e o suspeito teria disparado dentro do banheiro feminino e no teto do templo. Ao saírem da igreja pai e filho foram detidos pela Polícia Militar.

O G1 foi até a casa dos suspeitos, mas ninguém quis comentar o caso. De acordo com a Polícia Civil, o caso foi registrado como tentativa de homicídio.

Fonte: G1

Matéria disponível em Folha Gospel

Quase 40% da água tratada no Brasil é desperdiçada, aponta estudo

G1 GLOBO

     Além da falta d’água, tem o desperdício. Um estudo mostra que quase 40% da água tratada no Brasil é desperdiçada. Só em São Paulo, R$ 250 milhões são investidos todos os anos para diminuir as perdas, mas o problema continua.

     A rede que distribui a água na cidade é considerada velha e muitos trechos precisam passar por manutenção. Os vazamentos são o maior problema, e podem causar um estrago bilionário.

     No Brasil, desce pelo ralo quase 40% do faturamento das empresas operadoras por causa das perdas de água. A situação é mais crítica na Região Norte, onde mais da metade do faturamento é perdido. A média de perda da Europa é 15%, do Japão, 3%. “É uma perda enorme de recursos financeiros que poderia estar voltando para o sistema de saneamento para que mais pessoas tivessem água ou coleta e tratamento de esgoto”, afirma Edson Carlos, presidente do Instituto Trata Brasil.

     O estudo do Instituto Trata Brasil mostra que uma redução de apenas 10% das perdas do país representaria uma receita de R$ 1,3 bilhão, quase a metade do investimento feito em abastecimento de água no ano de 2010.

     Reduzir perdas é importante também para não faltar água. O estudo mostra que um terço das cem maiores cidades do país precisa de um novo manancial para atender a população.

     A capital paulista é um exemplo. A Região Metropolitana de São Paulo tem 50 mil quilômetros de tubulações enterradas, daria para dar uma volta e meia no planeta. A extensão e a idade da rede são os maiores desafios.

     Todos os anos a empresa que abastece a região investe R$ 250 milhões para diminuir as perdas, com reforma nas instalações hídricas e busca minuciosa por vazamentos. O investimento já rendeu um índice de perda abaixo da média do estado: 26%. A meta é chegar a 15% até 2020.

     Neste ano, o investimento na rede de água de São Paulo deve subir para R$ 370 milhões, uma alta de quase 50% em relação a 2012. O aumento dos recursos é resultado de uma parceria com o Japão.

 Matéria disponível em G1

Bíblia FreeStyle se torna alvo de severas críticas de líderes evangélicos

GOSPEL MAIS

     O projeto Bíblia FreeStyle, uma iniciativa do pastor Ariovaldo Jr. que “traduz” a mensagem bíblica com uma linguagem popular e se utiliza da técnica da paráfrase para construir seus textos, vem sendo duramente criticada no meio cristão.

     Na maioria das críticas, a reprovação está para o fato de haverem termos chulos e até palavrões na reapresentação das passagens bíblicas.

     O pastor Renato Vargens, da Igreja Cristã da Aliança, em Niterói, escreveu um artigo sobre o tema em seu blog, e desaprovou a contextualização feita: “Depois que vi que inúmeras pessoas estavam comentando o assunto resolvi  pesquisar sobre a Bíblia em questão. Infelizmente o que encontrei foi um trabalho absolutamente questionável e que na minha perspectiva depõe contra as verdades inequívocas e inexoráveis das Escrituras.  Até entendo que o desejo dos autores tenha sido contextualizar a Palavra de Deus tornando-a  acessível as mais variadas tribos, todavia, penso que ao fazê-lo banalizando o conteúdo bíblico os autores erraram e erraram feio”, criticou.

    Já Frank Brito, do blog Resistir e Construir, classificou a Bíblia FreeStyle como “abominação”, e atacou diretamente o autor da iniciativa: “Eu já conheci muita gente parecida com o Ariovaldo Jr., autor da Bíblia Free Style. São adultos que nunca conseguem superar atitudes típicas de crianças ou adolescentes problemáticas como, por exemplo, a constante necessidade de falar com muitas gírias e palavrões para se autoafirmar, mostrar o quanto são ‘descoladas’ e saciar a necessidade de muita atenção. Quando adentram no mundo cristão, são pessoas que, quando não são restauradas por Deus, simplesmente colocam uma roupagem cristã nestes mesmos desejos de antes. A raiz do problema por trás da Bíblia Free Style não é o próprio Ariovaldo Jr. Ele é só mais uma gota do grande oceano de clichês repetitivos dos ‘radicais’”, afirmou.

     No site da revista Ultimato, a sessão “Palavra do Leitor” publicou um artigo do reverendo Ângelo Vieira Da Silva, que propõe uma “reflexão” sobre a polêmica: “Creio que alguns cristãos ou líderes “conservadores” torcerão o nariz diante deste projeto idealizado pelos pastores Ariovaldo Jr. e Guilherme Burjack sem, ao menos, refletir. Posso conjecturar que o motivo inicial, naturalmente, poderá ser a dificuldade intrínseca de avaliar a BFS a partir de seu próprio pressuposto, quer dizer, de seus autores. Reconheçamos: ser diferente, pensar diferente, escrever diferente, agir diferente, enfim, muito de tudo que é diferente pode ser mal compreendido e criticado sem fundamentos e/ou reservas”, introduz.

     Para o reverendo Silva, a Bíblia FreeStyle não pode ser criticada como se fosse uma tradução literal da Bíblia Sagrada, e por isso, é necessário aguardar que o tempo mostre resultados: “A grande maioria dos cristãos conservadores (como eu) geralmente não está preparada para se relacionar com pessoas intensamente ‘diferentes’”, pontua o reverendo.

     Entretanto a ponderação feita pelo reverendo Silva não é compartilhada pelo pastor Márcio de Souza, que não admite o uso deliberado de palavras de baixo calão no âmbito bíblico, mesmo que isso aconteça num projeto que visa parafrasear a Bíblia a fim de atrair o interesse dos leitores para uma segunda leitura mais atenta.

     “Essa bíblia freestyle é uma brincadeira de mau gosto […] Vejam bem, não estou aqui para falar do caráter do autor da tal bíblia, nem para atestar se ele é crente ou não (isso é papel de Deus e eu não sou Deus) até porque nem o conheço pessoalmente. Mas combater ideias é o real objetivo desse artigo. Qual o problema da bíblia Freestyle? Pelo que pude ver, o problema está no excesso de contextualização. Existem dois problemas quando se trata de contextualização: A ausência dela e o excesso. Cá para nós, colocar palavrão na boca de Jesus é um pouco demais pra qualquer mente aberta que tenha a boa vontade de ler aquele texto. Não é questão de contestar as “palavras torpes” embora sejam, mas uma questão de que o texto bíblico não precisa disso. Quer causar, aparecer, tudo bem, é natural do ser humano querer atenção, mas desse jeito? Que preço hein. Não sou nenhum puritano e nas horas de raiva eu também falo palavrão, só pra ficar claro, mas não é por isso que eu vou sair por aí externalizando meus momentos de raiva nos meus textos, quiçá no texto bíblico. Meu momento de raiva, é só um momento, não um estilo de vida”, escreveu.

 Matéria disponível na íntegra em Notícias Gospel Mais

Estudantes colocam hino de time de futebol e receita de miojo na redação do Enem

FOLHA DE S. PAULO

     Num universo de 4,1 milhões de redação do Enem 2012, cerca de 300 textos apresentaram algum tipo de “inserção indevida”: trechos aleatórios e citações desconexas com o tema do ano passado –movimento imigratório para o Brasil no século 21.

     A irreverência do aluno, no entanto, não justifica uma nota zero, afirma o Inep, órgão do Ministério da Educação responsável pelo exame.

     Um aluno que usou um trecho de hino do Palmeiras em um dos parágrafos da prova recebeu nota 500, por exemplo. A nota máxima é 1.000 (…).

     A homenagem ao time ocupou parte de um dos quatro parágrafos do texto –os demais, seguiram o tema sugerido. Para o Inep, as palavras e expressões usadas estão “em estilo inadequado” e por isso o aluno foi penalizado.

   “Retirando-se do texto os trechos do hino transcrito pelo participante, ainda restaram ideias e argumentos aproveitáveis ao desenvolvimento do tema”, afirma nota técnica do órgão a qual a Folha teve acesso.

   “A nota final, relativamente baixa, deve-se também aos numerosos erros de adequação da linguagem à escrita padrão”, completa a nota.

RECEITA

     Argumento semelhante foi dado para justificar a pontuação de redação que citou receita de Miojo, como revelou ontem o jornal “O Globo”. A escolha do aluno foi considerada “inoportuna e inadequada” –a pontuação final nesse caso foi 560.

     “Acrescente-se ainda que o texto, em sua totalidade, não fugiu ao tema, e não feriu os direitos humanos. Tampouco cabe dizer que o participante teve a intenção de anular sua redação, uma vez que dissertou sobre o tema e não usou palavras ofensivas”, justificou o MEC.

     Professores de redação, entretanto, ponderam que a nota dada ainda é muito alta. “No mínimo, o aluno não está levando a sério o trabalho de avaliação do Enem, o que já deveria ser motivo de repreensão”, afirma Waldson Muniz, professor de português do ensino médio do colégio Galois, em Brasília.

     “E ele fugiu completamente do assunto. É como se eu estivesse numa entrevista e começasse a falar de futebol. Onde está a sequência do raciocínio?”, questiona.

     Matéria completa disponível em Folha de S. Paulo

Portas Abertas receberá prêmio máximo das Emissoras Religiosas Nacionais

Folha Gospel

A Associação das Emissoras Religiosas Nacionais (NRB, sigla em inglês) anunciou que a Portas Abertas receberá o Prêmio Milestone durante a Convenção NRB no início de março

O Prêmio Milestone é concedido anualmente para as organizações que somam mais de 50 anos de ministério contínuo em evangelismo cristão e radiodifusão. Em 2013, a Portas Abertas completa 58 anos servindo cristãos perseguidos em países restritos ao redor do mundo. Dez ministérios receberão o prêmio durante a 70º Convenção Anual da NRB, de 2 a 5 de março, em Nashville (EUA).

As Emissoras Religiosas Nacionais (NRB) são uma associação internacional de comunicadores cristãos cujos membros representam milhões de ouvintes, telespectadores e leitores de veículos midiáticos como televisão, rádio, Internet e demais publicações. A missão da NRB é zelar pela divulgação da verdade bíblica, promover excelência de mídia, e defender a liberdade de expressão, de modo que o evangelho de Cristo possa ser livremente proclamado nos Estados Unidos e ao redor do mundo.

“É uma honra para a Portas Abertas receber o Prêmio Milestone”, confirmou o CEO CEO (Chief executive officer – Diretor executivo, tradução livre) da Portas Abertas Internacional, Jeff Taylor. “Eu gostaria de agradecer às Emissoras Religiosas Nacionais pelo reconhecimento da Portas Abertas e de outros ministérios que, por cinco décadas ou mais, dedicaram-se a um serviço fiel”.

“O Senhor tem abençoado a Portas Abertas desde que o nosso fundador, Irmão André, entregou as primeiras Bíblias nos países por detrás da Cortina de Ferro, em 1955. Hoje, a Portas Abertas continua a sustentar e fortalecer os cristãos que vivem em países hostis, para que estes possam contribuir com o crescimento do evangelho. Agradeço ao Senhor por todos aqueles que têm apoiado e orado por nossos irmãos e irmãs perseguidos ao longo dos anos”, completou Taylor.

Por quase 60 anos a Portas Abertas tem trabalhado nos países mais opressivos e restritos do mundo, fortalecendo cristãos em face à perseguição; equipando-os para brilharem a luz de Cristo nesses lugares. A Portas Abertas capacita cristãos perseguidos através do fornecimento de Bíblias e literatura cristã, treinando líderes cristãos, facilitando projetos sociais e econômicos; e unindo os crentes no Ocidente em oração pelos demais cristãos.

Fonte: Missão Portas Abertas

Matéria completa disponível em FOLHA GOSPEL

Gasolina em veículos emite cerca de 70 milhões de toneladas de CO2

Notícias UOL     

    O uso de gasolina por veículos foi responsável, em 2012, pela emissão de aproximadamente 71,6 milhões de toneladas de CO2 equivalente no Brasil, aumento de 12% em relação ao ano anterior, segundo a Ecofrotas, empresa especializada em gestão sustentável de frotas. Para se ter uma ideia, a cidade de São Paulo emitiu, em 2011, 16,430 milhões de toneladas CO2e.

     A conta leva em consideração os dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) sobre consumo de etanol e gasolina no país. O consumo de gasolina no ano passado foi de 39,6 milhões de m3, já em 2011 foi de 35,4 milhões de m3. Enquanto o consumo da gasolina aumenta, o de etanol cai: de 10,8 milhões para 9,8 milhões de m3.

     A partir destes números, a empresa considera as características de cada combustível, e calcula o quanto foi emitido de CO2 equivalente por litro de combustível consumido. É considerada também a quantidade de etanol na gasolina. A  gasolina emite, por exemplo, uma média de 2,269 quilos de CO2 por litro.

     “O aumento da emissão está relacionado ao crescimento do consumo da gasolina”, afirma a executiva de Sustentabilidade da Ecofrotas, Amanda Kardosh. “Isso é preocupante porque as emissões do etanol são consideradas neutras, visto que são compensadas em razão do crescimento da cana-de-açúcar”, afirma.

Matéria disponível em Notícias Uol

Venda de produto pela internet vai ter de oferecer assistência técnica

Folha de S. Paulo

     Quem vender produto quebrado pela internet terá de oferecer assistência técnica ao comprador, e quem prestar informação errada em transações virtuais pode ter de devolver o dinheiro.

     Isso é o que prevê o decreto que regulamentará o comércio eletrônico no Brasil, uma das ações do pacote que a presidente Dilma Rousseff lança hoje para defender o consumidor brasileiro.

     O comércio virtual, uma das modalidades de consumo que mais têm crescido, não tem hoje uma legislação exclusiva para garantir os direitos do consumidor.

    Os principais focos do decreto são: forçar a prestação de informações claras ao comprador, exigir cumprimento de prazos para entrega e fixar regras claras de pós-venda, como tempo de garantia e troca de produto com defeito.

    Ou seja: incluir o comércio virtual nas normas do Código de Defesa do Consumidor, com punições para quem não honrar as obrigações.

    Quem fizer venda pela internet também ficará obrigado a oferecer um canal de informação pelo qual o consumidor pode entrar em contato, além de informar o prazo para a resposta e a solução dos problemas. Na avaliação do governo, além de resolver um vazio legal, é preciso preparar um mercado que registra crescimentos exponenciais. Segundo pesquisa do Ibope do fim do ano passado, há 94 milhões de internautas no país, incluindo adolescentes e crianças.

    Entre as propostas que vem sendo discutidas internamente no governo nas últimas duas semanas, estão também medidas para proteger mais os clientes de bancos e de companhias aéreas, além dos usuários de telefonia e de planos de saúde.

     O objetivo é obrigar empresas a melhorar a qualidade do serviço no país justamente em setores com altos índices de reclamação.

    No caso dos clientes bancários, uma das propostas discutidas prevê a definição de regras claras para migração de empréstimos consignados entre
os bancos, impedindo que uma instituição se recuse a fazer a transferência para uma segunda.

   Além disso, foram apresentadas sugestões para punição de bancos que concedem empréstimos a clientes que estão superendividados e maior fiscalização para cumprimento de normas já fixadas, como a que determina a divulgação do custo efetivo pago pelo cliente ao tomar um empréstimo.

Matéria disponível em Folha de S. Paulo

“Antártida é um continente em risco”, diz especialista chileno

Notícias Terra

     “A Antártida é um continente em risco, sem dúvida”, afirmou em entrevista com a agência EFE o diretor do Instituto Antártico Chileno (INACH), José Retamales, um dos principais especialistas em nível mundial do “continente branco”.

     A Antártida modera o clima do planeta; os furacões no Golfo do México ou a existência do deserto mais seco do mundo no norte do Chile têm a ver com o que acontece nesta parte do planeta cuja extensão (14 milhões de quilômetros quadrados) é equivalente à da América do Sul.

     “Mas também chega à Antártica toda a poluição do resto do mundo”, adverte o responsável do INACH, para quem a principal ameaça para o “continente gelado” é o vertiginoso crescimento da população mundial, que triplicou nos últimos 60 anos.

     “As temperaturas podem aumentar, e as secas também. Não quero ser alarmista, mas isso é algo que pode acontecer”, advertiu.

     Retamales, 54 anos, dirige o INACH há quase 10 e, ao contrário de seus antecessores, que eram militares ou diplomatas, seu perfil é acadêmico e científico.

    Engenheiro civil de profissão, José Retamales se formou em engenharia química na Inglaterra e foi reitor da Universidade de Magalhães (sul do Chile), além de ter feito parte do diretório de empresas petrolíferas e de energia nuclear.

     Seu domínio dos idiomas (fala inglês, francês, alemão e espanhol) lhe permitiu intensificar os contatos com instituições científicas de todo o mundo.

     Ciente de que o Chile sempre teve um olhar defensor da soberania da Antártica, mas também que “a ciência atualmente é muito competitiva no mundo todo”, Retamales se propôs abrir o INACH e transformá-lo em uma instituição na qual o ingresso é por mérito.

     “O que pude fazer foi possível também porque o país agora tem mais recursos”, reconheceu o diretor do INACH, um órgão que depende do Ministério das Relações Exteriores e que até há poucos anos tinha sua sede em Santiago, a 2,2 mil quilômetros de Punta Arenas, a cidade onde agora tem sua base.

     Graças ao crescimento econômico que o Chile vivenciou nos últimos anos, o orçamento desta instituição cresce anualmente cerca de 15%.

     A proximidade geográfica do Chile com a Antártica contribui para que com esse orçamento seja possível desenvolver um programa científico ainda maior.

    No passado, o Chile reivindicou a soberania territorial das ilhas Shetland do Sul, a península Antártica e a chamada Terra de O’Higgins, mas em 1959 aderiu ao Tratado Antártico (assinado atualmente por meio centena de países), que estabelece que o “continente branco” é patrimônio da humanidade.

     Hoje em dia, o Chile optou por ter uma presença marítima maior que a de outros países no setor do continente onde mais incide a mudança climática, o que favorece os projetos de pesquisa.

     “A Antártica também é política. Por isso, a China ou a Rússia estão disseminando bases por todo o continente, mas nós não podemos fazer isso”, explica Retamales, que acha que falta uma maior cooperação entre os 28 países que atualmente desenvolvem pesquisas científicas nesta parte do planeta.

     “E embora na Antártica não haja muitos votos – acrescentou -, interessa aos governos mostrar que se preocupam, porque isso também atrai apoios”.

     O diretor do INACH se diz convicto de que a Antártica pode ajudar a remediar a escassez enérgica no futuro.

     “Da mesma maneira que o buraco na camada de ozônio mostrou que a humanidade pode danificar o planeta, o mesmo vai acontecer com a energia”, afirmou.

     “Quais são os caminhos para remediá-lo? O mundo terá que buscar processos mais eficientes que funcionem com menos energia, a temperaturas mais baixas, e nisso a Antártica pode nos ajudar bastante”, disse.

   Assim como os microorganismos antárticos são a solução para muitos dos problemas atuais, o modelo de desenvolvimento representa uma séria ameaça.

     “Quanto tempo continuará a Antártica sem poluição? Não me atreveria a jurar que para sempre”, opinou Retamales.

Matéria disponível em TERRA

Preços da cesta básica sobem em vez de cair

Leonardo Rodrigues

Colaboração para a Folha

      Embora empresários do setor de supermercados tenham anunciado anteontem em Brasília que os preços de produtos da cesta básica cairiam a partir de ontem, a promessa ainda não se concretizou.

      Levantamento dos preços de 25 itens da cesta, realizado pela Folha em lojas de cinco redes diferentes, mostrou que, de 125 preços, apenas 7 caíram, enquanto 12 subiram.

    Entre os que encareceram estão até mesmo a carne, que, segundo a associação de supermercados, deveria já hoje apresentar a maior redução -da ordem de 6%.

    Carnes bovina, suína, de frango e peixes estão entre os produtos que tiveram tributos cortados pelo governo federal, além de alimentos como manteiga, café e açúcar e itens de higiene pessoal, como sabonete e creme dental.

     Dos itens que baratearam, no entanto, apenas dois foram beneficiados pela medida do governo: creme dental e leite em pó. Os outros cinco já eram desonerados: tomate, cebola, arroz e, em duas lojas, batata.

AMOSTRAS

     A Folha visitou na segunda e ontem, no mesmo horário, lojas dos supermercados Pão de Açúcar, Carrefour, Extra, Walmart e Sonda, nas zona oeste, norte e central de São Paulo.

     Nas duas datas, os preços dos mesmos 25 itens, no mesmo peso e forma de apresentação, foram anotados.

    Dos cinco supermercados visitados, Carrefour e Pão de Açúcar, ambos em Casa Verde, fixaram anúncios informando aos clientes que repassariam aos clientes os cortes de impostos federais.

   Segundo a mensagem do Carrefour, exibida em um cavalete no hall de entrada, a empresa apoia a decisão do governo e está “trabalhando para reduzir o preço de centenas de produtos”.

      Já o anúncio do Pão de Açúcar, fixado em prateleiras, diz que, desde anteontem, os descontos atingiam os produtos da cesta básica.

     A Abras preferiu não comentar o levantamento da Folha, porque ele não seguiu uma metodologia estatística.

     A entidade, entretanto, informou que o repasse da desoneração da cesta básica para o consumidor ocorrerá paulatinamente e que depende da política de estoques e de negociação com fornecedores de cada empresa.

     A Abras destacou ainda que orientou os seus associados a repassar integralmente a desoneração e que o setor está comprometido publicamente com a redução de preço dos itens beneficiados pela medida do governo.

MEDIDA

     Anunciada pela presidente Dilma Rousseff em cadeia nacional de rádio e TV, a desoneração da cesta básica entrou em vigor na sexta-feira. A medida provisória corta a cobrança de PIS/Cofins e IPI de todos os produtos que ainda sofriam tributação.

      O governo espera impacto anual de R$ 7,4 bilhões, R$ 5,5 bilhões neste ano.

 Matéria disponível em FOLHA UOL

Pastor diz que não recuará e prega combate a projeto sobre homofobia

FOLHA DE S. PAULO

     Quatro dias depois de ser eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) afirmou, em culto de sua igreja evangélica, que seus fiéis precisam combater o projeto de lei que torna crime a homofobia. Avisou ainda que não vai recuar de suas opiniões polêmicas.

   O culto ocorreu ontem à noite em Ribeirão Preto, uma das principais filiais de sua igreja, a Catedral do Livramento, ligada à Assembleia de Deus. O evento contou com a presença de toda cúpula da igreja do deputado.

   Já arrumaram para mim uma saída estratégia, uma maneira de sair daqui sem ninguém me ver, disse aos fiéis. Tudo que está acontecendo é um mero teatro, um teatro dos horrores, onde querem punir um homem por expressar sua fé. (…) Não recuarei jamais. Estou disposto a morrer, afirmou.Do lado de fora, ao mesmo tempo, mais de 200 pessoas protestavam contra sua eleição para a presidência da comissão na Câmara, ocorrida por acordo político entre os deputados. Pressionado, Feliciano teve de sair pelas portas dos fundos da igreja e seus fiéis usaram um cordão de isolamento para deixá-la em meio aos protestos de ativistas que chamavam o deputado de racista e homofóbico.

     Ele pregou por cerca de 40 minutos. Logo no começo, abordou o projeto de lei que criminaliza a homofobia e que está em discussão no Congresso.

   O projeto de lei que criminaliza a homofobia está sendo neste momento colocado em evidência. Estou sofrendo o que todos vão sofrer quando for aprovado. Nenhuma das senhoras, nenhum dos senhores vão poder ter a livre a expressão, poder pensar. Se não fizermos alguma coisa agora, amanhã não sei o que vai acontecer, afirmou o deputado.

     Ele ainda provocou os ativistas que lideram as manifestações contra ele: Nesses últimos dias ouvi os ativistas falarem que com ele na comissão é um retrocesso (…), nossas conquistas vão ficar paradas. E quais são as conquistas? Conquistas que ferem a família.

    A polêmica é antiga em torno dele. Ele disse em 2011 que os africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Depois, afirmou ter sido mal compreendido.

     O pastor afirma que não é homofóbico, mas diz ser contra o ato sexual entre pessoas do mesmo sexo. A pressão aumentou depois da divulgação de um vídeo em que ele pede a senha do cartão bancário de um fiel.

    Ontem, os manifestantes entoavam gritos contra o deputado e seguravam cartazes dizendo Fora, preconceito, Amaldiçoado é o seu preconceito.

     No culto, o deputado reafirmou que não tem opiniões discriminatórias. O que está em jogo neste momento é a liberdade de pensar. A liberdade religiosa, disse. Segundo ele, a grande mídia quer classificar seus fiéis de loucos e fanáticos.

Matéria disponível em FOLHA DE S. PAULO

Feliciano Amaral entra para o livro dos recordes

FOLHA GOSPEL

     Aos 92 anos de idade, o pastor e cantor Feliciano Amaral continua adorando a Deus, sem dar indício de que pensa em aposentadoria. Desde 2010 ele é considerado o recordista de longevidade no mundo da música.

São 62 anos de carreira, motivo pelo qual entrou para o Livro Guinness dos Recordes. Dois anos atrás ele recebeu uma homenagem em Boston e fez algumas apresentações nos EUA.

     Ele nasceu em Minas Gerais, mas vive atualmente em Pernambuco. Antes de ser cantor foi sapateiro e músico. Iniciou sua carreira musical na década de 1940, sendo o primeiro cantor evangélico a colocar sua voz num acetato de vinil de 78 rotações, pela extinta gravadora Atlas.

Foi para o Rio de Janeiro, onde estudou Teologia no Seminário Teológico Betel. Pastoreou várias igrejas, inclusive a Primeira Igreja Batista da Pavuna. Gravou vários LPs e CDs, sendo o mais recente “Especial 90 Anos – Jardim de Oração” de 2010. Tem ainda um DVD em sua carreira, gravado ao vivo numa igreja em Recife.

Feliciano Amaral interpretou canções como: “Oração de Davi”, “Céu aberto”, “O mar”, “Ao meu Redor”, “O Rosto de Cristo”, “Rio Profundo”, “Sou Filho do Rei”, “O Jardim de Oração”, entre outras.

Matéria disponível em Folha Gospel

Pastor Marco Feliciano é o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara

G. NOTÍCIAS

     Após a formalidade da votação sobre a aceitação da posse do pastor Marco Feliciano como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, o líder evangélico concedeu uma entrevista coletiva onde desabafou sobre toda a polêmica de sua indicação pelo PSC para assumir a comissão.

     A posse do Feliciano aconteceria ontem, quarta-feira (7 de março), mas um tumulto generalizado ocasionado pelos protestos de ativistas gays, negros e de religiões afro acabou adiando a sessão. Nesta quinta, já sem os manifestantes, o pastor foi eleito com 11 dos 17 votos possíveis da comissão. O então presidente da comissão, deputado Domingos Dutra e os representantes dos partidos PT, PSOL e PSB se retiraram da votação tentando obstrui-la, mas a manobra não teve êxito já que conseguiram somente seis abstenções e o pastor precisava de pelo menos 10 votos a favor (confira outras manobras dos militantes de oposição para retirar o pastor da presidência da CDHM).

     Em seu discurso a imprensa o pastor Marco Feliciano se emocionou e foi aplaudido por membros de seu partido e outros deputados apoiadores. O deputado rebateu as acusações de que seria racista afirmando que sua mãe seria negra e assim ele também seria, e disse que há alguns anos atrás sua esposa grávida perdeu um filho por ter ficado cinco horas em uma fila para ser atendida pelo SUS.

    O novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias lamentou a ameaça do deputado e militante gay Jean Wyllys de deixar a CDHM e revelou que procurou o ex BBB para tentar unir forças e aproximar os cristãos dos gays. “(…) muito triste não vê-lo aqui, porque ele tem uma bandeira e a sua bandeira é legítima”, disse o Pastor Marco.

Matéria completa disponível em Gospel Mais

Dia Internacional da Mulher

SUA PESQUISA

     No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

  A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

   Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

    Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras 

   Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

   Matéria disponível em Sua Pesquisa