Alimentação correta ajuda no combate à ansiedade, dizem especialistas

FOLHA GOSPEL

     Embora a ansiedade não seja considerada pelos especialistas uma doença e sim uma reação normal do organismo – quando passa a prejudicar o cotidiano das pessoas é necessário procurar a ajuda de um profissional. De acordo com o psicólogo do Hospital Nossa Senhora das Graças de Curitiba José Roberto Palcoski, a ansiedade pode ter alguns níveis e estar relacionada a algum fator ou não. “Todos nós temos ansiedade, e é normal e bom, pois ela nos move para concretização de nossos objetivos de vida, contudo, se torna um problema quando começa a atrapalhar nossa rotina e nossas relações”, destaca. Alguns sinais podem ser percebidos no dia a dia, entre eles: sensação de aflição, agonia, impaciência e inquietação.

Existem diversos tratamentos psicoterápicos para a ansiedade, medicamentosos ou relacionados a alguma psicoterapia. “Para cada nível de ansiedade há uma forma diferente de realizar o tratamento – desde o trabalho frente ao pensamento que cerca a situação ansiogênica, até a combinação de medicações e psicoterapia”, explica o psicólogo.

Entre os tratamentos estão psicologia analítica, psicanálise, cognitiva comportamental, com técnicas de relaxamento, hipnose e o apoio social. “Poderíamos dizer que os principais tratamentos seriam o medicamentoso, orientado por médico psiquiatra em conjunto com psicoterapia individual e ou grupo”, enfatiza. Já o acompanhamento psicológico é importante, pois a ansiedade é um pensamento, uma sensação persistente – sendo o psicólogo o profissional capacitado e treinado para lidar com estas situações. “Desde o mapeamento de sua origem até a cura plena da situação”, explica Palcoski.

Níveis de serotonina

“Grande parte das pessoas que convivia com a ansiedade patológica, após tratamento, passa a retomar suas atividades de forma satisfatória, já que, uma vez diagnosticado o distúrbio precocemente, maiores as chances de se alcançar melhores resultados”, diz Daniela Caetano Gonçalves, nutricionista e professora da Universidade Gama Filho, de São Paulo.

Gonçalves ressalta que, além dos tratamentos convencionais, é importante lembrar que alguns alimentos que apresentam aminoácidos e vitaminas essenciais, que atuam no combate à ansiedade e elevam os níveis de serotonina, são opções que podem trazer bem-estar e relaxamento para aqueles que sofrem desse mal.

“Quem é ansioso deve evitar alguns alimentos ou até mesmo excluí-los, dependendo do nível do problema”, afirma a também nutricionista Eliana Louzada, mestre em educação física e docente em cursos de pós-graduação da Universidade Gama Filho. Ela inclui nesta lista aqueles à base de açúcar como bolos e pudins; achocolatados que contenham açúcar e o próprio, além de sorvetes.

Palcoski diz que é importante ressaltar que muitas vezes a alimentação é uma via de escape para quem possui algum grau de ansiedade, sendo então necessário verificar como esta o relacionamento desta com a sua alimentação. “Se a pessoa usa a alimentação para diminuir sua ansiedade, então, é necessário que se estude o que se está comendo, quando e por qual motivo. Pois, se houver erro ou abuso, será um ‘tiro no pé'”.

Sem evidências

O médico psiquiatra e pesquisador do Programa de Transtornos do Humor do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, Fernando Fernandes, afirma que não há evidências científicas de que podemos controlar a ansiedade por meio da alimentação.

“Fazendo uma busca nos últimos estudos, não encontramos nada relatado. Alguns estudos em animais apontam que a restrição alimentar pode diminuir agudamente a ansiedade. A relação entre ansiedade e alimentação é outra: a ansiedade induz a hábitos alimentares não saudáveis, principalmente pelo aumento da ingestão de carboidratos e alimentos gordurosos”, diz.

Fernandes indica uma alimentação variada e equilibrada – rica em frutas, vegetais folhosos, carboidratos complexos (como feijões e cereais integrais) e proteínas de baixo teor de gordura saturada (carnes magras, leite desnatados etc). “Isso tudo é importante para promoção global da saúde, inclusive mental”.

O psiquiatra dá algumas dicas: “Comer devagar é importante, pois o sentimento de saciedade leva em torno de vinte minutos para se estabelecer. Mastigar bem os alimentos é outra dica: quem mastiga bem, em geral sente-se saciado ingerindo menos calorias. Vale salientar que o tratamento para os transtornos ansiosos deve ser medicamentoso e psicoterápico. Associado a isso, deve haver mudança no estilo de vida tais como alimentação saudável e prática de atividade física e de lazer devem ser incorporadas ao dia-a-dia do paciente”.

Fonte: UOL

Matéria disponível em Folha Gospel

Câmara derruba PEC 37 e propõe 75% dos royalties para a educação

G1

     Depois da pressão dos protestos pelo Brasil, a Câmara dos Deputados derrubou a PEC 37, a proposta de emenda constitucional que tirava poderes de investigação do Ministério Público.

   E aprovou outro projeto, que aumenta os recursos para educação e saúde. As reivindicações das ruas entraram em votação acelerada no Congresso.

     Os deputados trabalharam até a madrugada, foi um dia de muita movimentação no Congresso. Com a pressão nas ruas, vários deputados mudaram de posição e ajudaram a derrubar a chamada PEC 37, que tirava o poder de investigação do Ministério Público.

     Em outra resposta aos protestos, deputados derrubaram também o projeto sobre o uso dos royalties do petróleo. A maioria para a educação, mas decidiram destinar uma parte dos recursos também para a saúde.

     Estudantes, promotores e procuradores lotaram as galerias. E aplaudiram todos os partidos. Porque todos defenderam a rejeição da chamada  PEC 37, que foi derrubada por 430 votos. Comemoração em coro.

     Com o arquivamento da proposta, fica mantido o poder de investigação do Ministério Público, que foi estabelecido na constituição de 1988. A derrubada da PEC 37 vinha sendo um pedido constante nos protestos. “Não há dúvida nenhuma de que esta é uma das respostas às manifestações da população nas ruas. Eu tenho certeza de que se ela fosse votada há 15 dias a maioria da casa lamentavelmente teria aprovado a PEC”, declara o deputado Alexandre Molon (PT-RJ).

   Em seguida, a Câmara aprovou o projeto que determina que 75% dos recursos dos royalties do petróleo da união, estados e municípios sejam destinados à educação. E 25% à saúde. Diferente do projeto original do governo que previa a aplicação de 100% das receitas em educação. “Muitas respostas têm que ser dadas. As ruas têm pressa, o clamor é forte e o parlamento tem que sair da sua tradicional lentidão e inércia para manter o mínimo de credibilidade”, diz o deputado Chico Alencar (PSOL -RJ).

     No Senado também foi dia de respostas. O presidente Renan Calheiros anunciou uma pauta de votações também relacionada aos protestos nas ruas. Ele mesmo apresentou um projeto que prevê passe livre para estudantes matriculados e que tenham frequência comprovada. O dinheiro para financiar a proposta viria dos roylaties do petróleo.

     E também anunciou a votação de outros projetos. Um deles deve ser votado nesta quarta-feira (26). É o que torna corrupção crime hediondo. E há outros na fila. O que estende a vigência da lei da ficha limpa aos servidores públicos e o que pune juízes e membros do Ministério Público condenados por crimes.

     O presidente do Senado está prevendo a votação desses projetos para as próximas duas semanas. Mas chegou a dizer que não haverá recesso parlamentar se a agenda não for cumprida. O recesso está marcado para começar dia 18 de julho.

     Para que o recesso seja suspenso é preciso que haja convocação pela presidente da República, ou pelos presidentes da Câmara e do Senado, com aprovação de maioria absoluta dos parlamentares. O presidente da Câmara acha que não será necessária a convocação.
Quanto ao projeto aprovado na Câmara que destina 75% dos royalties do petróleo para a educação, o texto ainda precisa passar pelo Senado.

Matéria disponível em G1

Protestos em Ribeirão Preto e região

A CIDADE

PM estima em 25 mil os manifestantes em Ribeirão Preto

A PM (Polícia Militar) estima entre 20 e 25 mil pessoas no protesto que ocorreu na noite desta quinta-feira (20), em Ribeirão Preto.

     A informação foi passada pelo tenente coronel da PM, Renato Armado Alves, que considera o movimento pacífico. Houve a pichação de um canteiro de flor na praça em frente ao Palácio Rio Branco e a apreensão de um facão com um homem que não fazia parte do movimento, segundo a polícia.

     Os manifestantes se dividiram no cruzamento das avenidas Independência e Nove Julho, onde inicialmente terminaria o protesto. Parte ficou no local e aproximadamente 5 mil pessoas caminham em direção à avenida Professor João Fiúsa, área nobre na zona Sul da cidade. Os manifestantes gritam palavras de ordem em todo o manifesto pela redução das tarifas de ônibus.

     Toda vez que uma bomba explode na manifestação, os manifestantes vaiam e pedem paz.

Matéria disponível no jornal A CIDADE

Manifestação reúne 2 mil pessoas pelas ruas de Sertãozinho

Caras pintadas de verde e amarelo, cartazes com frases de protesto, máscaras, bandeiras do Brasil e muita reivindicação, tudo isso esteve presente nesta quinta-feira (20), em Sertãozinho, onde manifestantes também foram para a rua. O ato teve início às 19h e os manifestantes percorreram toda a região central de forma pacífica. De acordo com a PM (Polícia Militar), aproximadamente 2 mil pessoas estiveram presentes.

Além da PM, a Guarda Civil Municipal (GCM) deu apoio para controlar o trânsito pelas ruas que o grupo passou. A concentração ocorreu na Praça 21 de Abril, bem no Centro da cidade, e ao som de músicas de protesto dos anos 80 se deu início à passeata.

O trajeto oficial, definido pela organização e combinado previamente com as autoridades policiais, seria percorrer a rua Barão do Rio Branco até a rua Expedicionário Solano, de lá, retornar pela rua Aprígio de Araújo até a praça.

No entanto, a maior parte do grupo resolveu estender o manifesto e caminhou até a avenida Antônio Paschoal. Mesmo assim, a passeata seguiu tranquila, apenas com modificações do bloqueio no trânsito.

Entre as principais reivindicações nas faixas, cartazes e gritos estavam a luta contra a aprovação da PEC 37, contra a corrupção, passe livre e melhorias na saúde.

Matéria completa disponível no jornal A CIDADE

São Paulo e Rio anunciam redução das tarifas do transporte público

G1

Após duas semanas de protestos pelo país, as prefeituras de São Paulo e Rio anunciaram nesta quarta-feira (19) a redução no valor das tarifas do transporte público. Em São Paulo, as passagens de ônibus, metrô e trens voltarão a custar R$ 3 a partir de segunda-feira (24). No Rio, a tarifa de ônibus baixou de R$ 2,95 para R$ 2,75 e o aumento de trem, metrô e barcas foi suspenso. O valor antigo volta a valer já nesta quinta-feira (20).

Em São Paulo, a decisão foi anunciada após reunião entre o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) no Palácio dos Bandeirantes. Anteriormente, os dois chegaram a dizer que não iriam rever o valor das tarifas e manteriam o preço das passagens, que havia sido reajustado no dia 2 de junho.

     Os protestos, inicialmente convocados contra o aumento das tarifas de ônibus, tomaram corpo no dia 6, em São Paulo. Nesse dia, uma quinta-feira, houve confronto e depredação pela cidade. Quinze pessoas foram detidas. Depois, os protestos tomaram o país e se transformaram numa reivindicação sobre outros problemas, como saúde, educação e até uma crítica sobre os eventos esportivos que o Brasil vai sediar.

Em Aracaju, a prefeitura também decidiu reduzir o valor da passagem de R$ 2,45 para R$ 2,35. Entre segunda (18) e terça-feira (19), outras quatro capitais anunciaram redução das tarifas: Porto Alegre, Recife João Pessoa e Cuiabá.

Manifestações pela redução do preço das passagens e por mais qualidade nos transportes públicos, entre outros motivos, estão previstas para ocorrerem em várias cidades brasileiras nesta quinta-feira (20).

Matéria completa disponível em G1

Taxa de juros do cheque especial passa de 210% em um ano

UOL

     A taxa média dos juros cobrados no cheque especial pelos maiores bancos do país é de 149,9% em um ano (ou 7,93% ao mês), segundo pesquisa do Procon-SP divulgada nesta terça-feira (11). De acordo com cálculos feitos pelo economista e professor da FGV-SP Samy Dana, a taxa mais alta encontrada passou de 210%.

     Esses são números médios e podem variar para cada situação específica, porque os bancos oferecem taxas diferentes de acordo com o plano contratado pelo cliente e a relação entre eles (quem tem mais dinheiro no banco paga menos taxas).

     O Santander, com taxa média mensal de 9,95% (o que daria 212,14% em um ano), tem a maior taxa entre os sete bancos pesquisados (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e o próprio Santander). Em uma dívida de R$ 100, o cliente pagaria cerca de R$ 312,14 ao final de um contrato de 12 meses.

     A Caixa Econômica Federal tem a menor taxa de juros para a modalidade entre os bancos pesquisados, com 4,27% ao mês no cheque especial, ou 65,16% em um ano. Nesse caso, uma dívida de R$ 100 custaria R$ 165,16 em 12 meses.

Matéria completa disponível em Uol Economia

Brasil já produz 1 milhão de toneladas de lixo eletrônico por ano

FOLHA GOSPEL

     A busca por um sistema nacional de logística reversa deu mais um pequeno passo nesta semana, quando representantes da indústria levaram ao Ministério do Meio Ambiente propostas de acordos setoriais e divisão de responsabilidades nessa tarefa. Trata-se de uma resposta à chamada pública para que o segmento de eletroeletrônicos apresentasse sugestões.

Embora não tenham entrado em detalhes sobre como seria essa partilha de tarefas, restou evidente a ausência de um acerto sobre a primeira etapa da cadeia de coleta do lixo eletrônico – visto que, apesar de conversas, não houve uma proposta que contemplasse o papel do varejo. A Confederação Nacional do Comércio apresentou um documento à parte.

Além disso, os fabricantes insistem na necessidade de mudanças tributárias. “É claro que haverá um custo, mas a ideia é custar o mínimo possível, ou seja, que não seja preciso pagar impostos sobre a logística reversa”, sustenta o gerente do departamento de responsabilidade socioambiental da Abinee, a associação da indústria elétrica e eletrônica, Ademir Brescansin.

Além da Abinee, Eletros, Abradisti e Sinditelebrasil – ou seja, representantes de eletrodomésticos e eletrônicos, equipamentos de TI e o setor de telecomunicações – levaram ao governo duas propostas de logística reversa, uma para celulares e computadores, outra para aparelhos das linhas branca (geladeiras, fogões, etc), marrom (TVs, DVDs, etc) e azul (eletrodomésticos).

Esses segmentos não souberam indicar o tamanho do desafio. Mas na análise de viabilidade técnica e econômica da logística reversa de eletroeletrônicos, estudo encomendado pela ABDI, há indicações de que a quantidade de lixo eletrônico produzida a cada ano no Brasil é consideravelmente maior do que as projeções que vinham sendo utilizadas tanto no país como em publicações internacionais.

Segundo o estudo, ao considerar-se os eletrônicos de grande e pequeno porte, o Brasil já estaria gerando cerca de 1 milhão de toneladas anuais de lixo. A projeção parte de 2013 (918 mil toneladas) e vai até 2020 (1,09 milhão de toneladas), considerando ainda que haveria um pico na geração desses resíduos entre 2016 e 2017 (1,2 milhão de toneladas).

Matéria na íntegra disponível em Folha Gospel

Cientista é demitido por acreditar que Jesus cura

FOLHA GOSPEL

     Um pesquisador da Unviersidade Católica de Leuven, na Bélgica, foi recentemente demitido por acreditar que Deus pode curar e levantou questões sobre a liberdade religiosa e secularismo da instituição. A Universidade que é uma das mais antigas e maiores da Bélgica teve a aprovação do Vaticano na sua fundação, mas atualmente tem visto a fé dos funcionários sendo minada. Fernando Pauwels, que trabalhou no Instituto de Pesquisa para o Trabalho e Sociedade na Universidade durante 11 anos, descobriu que foi demitido por expor vídeos de cura pelo poder de Deus em seu site pessoal.

     Segundo a CBN, Fernando não tinha nenhum tipo de problema dentro da Universidade. “Se alguém me perguntasse: ‘Você quer um novo contrato, eu diria ‘sim, claro’. “Você tem qualquer problema com seus colegas de trabalho?` Eu diria `não, tudo está bem.’” Segundo Fernando, a Universidade não estava de acordo com vídeos de testemunhos de pessoas curadas milagrosamente. “A Universidade viu alguns desses clipes de pessoas sendo curadas e dando seus testemunhos e os chamaram de ‘anticientíficos’”, disse ele à publicação.

A ação foi vista com grande estranheza por parte dos próprios docentes da Universidade, que apontaram para uma ofensa à liberdade religiosa de Fernando. “A liberdade de religião significa que as pessoas podem acreditar em qualquer coisa que eles gostam ou qualquer coisa da qual eles se sintam atraídos”, afirmou Rik Torfs, um membro do corpo docente.

Fonte: The Christian Post

Matéria disponível em Folha Gospel

Ordem dos Músicos do Brasil não pode mais fiscalizar atividades musicais em templos ou igrejas

FOLHA GOSPEL

     Interferência em eventos religiosos contraria liberdade de culto e de expressão; Ordem não pode exigir que quem canta ou toca na igreja esteja inscrito na OMB.

Agora é definitivo: o Conselho Federal da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) e o Conselho Regional do Estado de São Paulo da OMB não podem mais impedir ou atrapalhar a realização de eventos musicais religiosos em templos, igrejas e ambientes de natureza religiosa por meio da exigência de que os membros dessas instituições estejam inscritos na Ordem. Por meio de sentença publicada no Diário Eletrônico da Justiça no último dia 3 de junho, com validade em todo o território nacional, a Justiça Federal em São Paulo decidiu que a fiscalização da OMB nesses ambientes viola os princípios constitucionais da liberdade religiosa e de culto e, sobretudo, da liberdade de expressão.

Em agosto de 2010, a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do MPF/SP propôs uma ação civil pública com pedido de liminar para que Conselho Federal da OMB deixasse de praticar atos de fiscalização que pudessem impedir ou atrapalhar a realização de eventos musicais e religiosos em templos, igrejas e ambientes similares. A PRDC argumentou na ocasião que “não se pode exigir dos músicos e pessoas que se apresentam em cultos de templos, igrejas e outros ambientes congêneres a habilitação técnica e formação específica para suas atividades”.

Em maio do ano passado, a Justiça Federal concedeu a liminar requerida pelo MPF e, desde então, a fiscalização da OMB nesses locais já estava vetada. Agora, a proibição passa a ser definitiva porque ocorreu o julgamento do mérito da ação – e a decisão anterior, de caráter provisório, foi confirmada em sentença. Em caso de descumprimento da decisão, a OMB pode ser multada em R$ 10 mil para cada prática irregular.

RITUAL

     “A música integra o culto (ritual religioso), e nessa condição não pode ser considerada uma atividade profissional sujeita à fiscalização da Ordem dos Músicos. Os músicos nela atuam como parte da celebração religiosa, a qual é vedada a interferência do Estado”, diz um trecho da sentença. “A respeito da liberdade de culto, José Afonso da Silva, em sua obra ‘Comentário Contextual à Constituição’, esclarece: ‘A religião não é apenas sentimento sagrado puro. Não se realiza na simples contemplação do ente sagrado (…); se exterioriza na prática dos ritos, no culto, com suas cerimônias, manifestações, reuniões, fidelidade aos hábitos, às tradições, na forma indicada pela religião escolhida'”.

Ainda de acordo com a sentença, “aqueles que participam de atividades musicais em igrejas ou templos não seriam considerados profissionais, visto que para participar de uma atividade religiosa seria prescindível deter conhecimento técnico específico para a execução dessa atividade ou formação acadêmica”. “Portanto, não seria cabível a fiscalização e autuação pela Ordem dos Músicos. No entanto, ainda que, em tese, um músico que participe do culto seja considerado profissional, é vedada a interferência da Ordem dos Músicos quando a atuação se der em instituição de natureza religiosa, havendo impedimento à exigência do credenciamento no conselho profissional como condição para a participação em cultos em igrejas ou templos”.

Fonte: Procuradoria da República em São Paulo

Matéria disponível em Folha Gospel

Tribunal determina fim da greve dos motoristas de ônibus de Ribeirão Preto

JORNAL A CIDADE

     O desembargador Henrique Damiano, do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), em Campinas, determinou o fim da greve dos motoristas de ônibus de Ribeirão Preto, durante audiência realizada na tarde desta quinta-feira (6).

      Os funcionários reivindicavam junto às empresas a incorporação permanente da gratificação de R$ 270 reais pelo serviço de cobrança de passagem. O consórcio Pró-Urbano manteve a proposta anterior, de garantir o benefício até maio de 2014 e realizar reajuste de 9% no salário base e vale alimentação, além de aumento no bônus pago aos motoristas.

       De acordo com o desembargador, o pedido dos motoristas era uma questão jurídica e deveria ser levada a julgamento pelo TRT. Enquanto isso não ocorrer, ele determinou que 100% da frota circule a partir desta sexta-feira (7), sob pena de multa de R$ 10 mil por dia. Os motoristas realizarão assembleia na madrugada desta sexta para decidir se aceitam a proposta das empresas e se irão cumprir a determinação judicial.

Matéria disponível em Jornal A CIDADE

Motoristas decidem manter greve de ônibus em Ribeirão Preto (SP)

FOLHA UOL

     Os motoristas de ônibus de Ribeirão Preto (a 313 de Km de SP) decidiram na manhã desta terça-feira (4) manter a greve da categoria. A decisão, tomada em assembleia, afeta pelo menos 120 mil pessoas que dependem dos ônibus diariamente, segundo a prefeitura. Os trabalhadores recusaram o reajuste de 9% oferecido pelo consórcio Pró-Urbano, responsável pelo transporte coletivo da cidade, e também decidiram não circular com metade da frota dos ônibus.

     A paralisação, iniciada pelos motoristas ontem (3), foi decidida porque os trabalhadores pedem 16% de aumento salarial. Nesta segunda-feira (3), o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) determinou que pelo menos 50% da frota de veículos circule normalmente durante a paralisação –seriam 173 dos 346 ônibus de Ribeirão.

     O sindicato optou em pagar a multa de R$ 10 mil estipulada pelo TRT em caso de não cumprimento da decisão. Os motoristas voltam a se reunir às 15h desta terça-feira.

Matéria disponível em: Folha Uol