Turma da Mônica terá história com referências ao espiritismo

FOLHA GOSPEL

Na história, a turma recebe um primo do pai de Cascão, que é espírita. Diante da curiosidade das crianças, o personagem vai apresentar conceitos e ensinamentos da doutrina.

As histórias da Turma da Mônica já trataram de temas diversos, como cultura, tecnologia e futebol. As mais novas aventuras de Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali, Anjinho e Penadinho vão falar, dessa vez, de religião.

O quadrinista Maurício de Souza acaba de ilustrar um livro que trata do Evangelho segundo o Espiritismo. A obra, chamada ‘Meu pequeno evangelho’, da Editora Boa Nova, será lançada no próximo dia 13 de dezembro.

Na história, a Turma da Mônica recebe a visita de André, um primo do pai de Cascão, Seu Antenor, que é espírita. Em meio à curiosidade das crianças, o personagem vai apresentar conceitos e ensinamentos da doutrina.

“Como a Turminha é formada por crianças, que estão na fase de aprendizado de tudo na vida, precisávamos de um interlocutor que passasse pra elas as informações corretas. De uma maneira suave, lúdica e sem jamais impor qualquer preceito religioso”, explica Maurício de Sousa.

O livro foi escrito pelo designer peruano Luis Hu Rivas, e pelo administrador baiano Alã Mitchell, entusiastas do espiritismo. De acordo com os autores, o objetivo do projeto é ensinar a importância de praticar o bem e a caridade, de respeitar o próximo e a natureza.

Ainda segundo os idealizadores, ‘Meu Pequeno Evangelho’ é baseado no ‘Evangelho segundo o espiritismo’, o livro mais difundido da doutrina, com mais de 30 milhões de exemplares vendidos no mundo todo.

“Todos os ensinamentos que levam à reflexão da paz e amor são importantes em nossas histórias. A Turma da Mônica sempre traz esses conceitos de solidariedade, de saber conviver com os diferentes e do respeito ao ser humano, independentemente de suas crenças, etnias ou origens. Em primeira análise, nossas historias são um lazer, uma diversão, mas sempre com muita informação, sobre os mais diversos temas. Daí a importância de estar em projetos como esse do Evangelho”, diz o cartunista Maurício de Sousa.

O criador da Turma da Mônica garante que os pequenos vão se divertir com as histórias. “A criança tem curiosidade de saber sobre o mundo em que vivemos. Nós, adultos, temos a missão de entregar essas informações para elas. Cabe a nós poder passar o que elas podem fazer para melhorar, ou consertar, o que fizemos no nosso mundo”, afirma.

O livro é recheado de situações que misturam as aventuras habituais da turma e espiritismo. Em uma das histórias, o ilustrador sugere a origem da gula de Magali, mostrando suas vidas passadas.

Fonte: D24am

Matéria disponível em Folha Gospel

Anúncios

Israel: Aproximação dos EUA com o Irã é um ‘erro’

VERDADE GOSPEL

O ministro de Relações Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, afirmou nesta sexta-feira (07) que é um “erro” qualquer tentativa de aproximação dos Estados Unidos e da comunidade internacional com o Irã. Em entrevista coletiva junto à alta representante de Política Externa e Segurança da União Europeia (UE), Federica Mogherini, que hoje iniciou uma viagem a Jerusalém, Lieberman insistiu que o regime de Teerã não pode ser parceiro em nenhum tipo de diálogo no Oriente Médio.

“O Irã é inaceitável para qualquer coalizão. Nem sequer para o diálogo na região, seja sobre a palestina ou sobre a Síria”, ressaltou Lieberman aos jornalistas. O chefe da diplomacia israelense reagiu assim à informação divulgada nesta quinta-feira sobre o fato de o presidente dos EUA, Barack Obama, ter enviado uma carta secreta ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei. Segundo as informações reveladas pela imprensa, a carta é sobre a luta contra os radicais sunitas do grupo Estado Islâmico (EI) na Síria e Iraque.

“Do nosso ponto de vista é um erro. Embora eu pense que nós não devemos dar conselhos ao presidente dos Estados Unidos”, disse Lieberman sobre a carta. Ainda firmes aliados, as relações entre Washington e Israel sofreram uma grande deterioração nos últimos meses por, entre outros motivos, insistência do governo de Benjamin Netanyahu em avançar com a colonização da Palestina ocupada. Tanto os Estados Unidos como a União Europeia estão convencidos de que a colonização é um dos principais obstáculos para o êxito da solução dos dois Estados e um fator de instabilidade na zona.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse nesta quinta-feira que a política americana para Teerã não foi alterada. Sem comentar diretamente a correspondência, ele afirmou que os EUA discutiram a campanha contra o Estado Islâmico com o Irã à margem das negociações sobre o programa nuclear. “Os Estados Unidos não vão cooperar militarmente com o Irã em nenhum esforço. Não vamos compartilhar inteligência com eles. Mas o interesse deles na questão é algo que tem sido amplamente comentado e que em algumas ocasiões foi discutido à parte de outras conversas”, ressaltou o porta-voz.

Matéria disponível em Verdade Gospel

Ipea mostra que aumentou número de miseráveis no país em 2013

VERDADE GOSPEL

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) disponibilizou em seu banco de dados na internet dados que vinha mantendo sob sigilo durante as eleições e que mostram o aumento do número de miseráveis no país em 2013, pela primeira vez em dez anos.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2013), o número de pessoas extremamente pobres passou de 10,081 milhões, em 2012, para 10,452 milhões, em 2013, um acréscimo de 371.158 pessoas entre as pessoas com renda inferior a R$ 70 por mês. A alta de 3,68% no número de miseráveis fez com que o percentual de extremamente pobres passasse de 3,6% para 4%.

A pesquisadora Sonia Rocha, especialista em desigualdade e pobreza e também do Iets, foi outra que constatara a alta da miséria. Pelos cálculos da economista, houve aumento do percentual de miseráveis de 4,1%, em 2012, para 4,7% (sem o Norte rural), no ano passado, a maior alta desde 2008.

Matéria completa disponível em Verdade Gospel

Haddad coloca gays e travestis na fila prioritária do Minha Casa Minha Vida

VERDADE GOSPEL

   Uma resolução do Conselho Municipal de Habitação (CMH) definiu que gays em situação de violência, travestis moradores em albergues e índios também podem ser beneficiados com prioridade nas unidades do Programa Minha Casa Minha Vida construídas em São Paulo. A norma complementar ao projeto do governo federal, publicada nesta sexta-feira (31) no Diário Oficial da Cidade, também permite incluir na fila prioritária do programa moradores em áreas limites de municípios vizinhos da capital paulista e idosos sozinhos com mais de 60 anos.

   O objetivo das regras é incluir entre os beneficiários prioritários do programa centenas de gays e mulheres que sofreram ameaças ou violência doméstica e que são atendidos em albergues e moradias da Prefeitura. Dezenas de travestis que também moram nos abrigos municipais vão ter direito a tentar entrar no programa, desde que comprovem que está “oriunda de situação de rua”. São mais de 8 mil pessoas atendidas todos os dias nos 62 albergues, abrigos e casas de acolhimento do governo.

   Prioritariamente, o programa definiu o atendimento para moradores em áreas de risco, mulheres que cuidam sozinhas da família e casais de baixa renda com filhos, conforme decreto de 2009 do governo federal. Não havia categorias específicas para priorizar o atendimento de gays e de travestis sozinhos e em situação de violência, por exemplo.

   Segundo movimentos de moradia que também são parceiros na construção de unidades do Minha Casa Minha Vida na capital paulista, a pessoa que mora sozinha de aluguel (seja gay, solteiro adulto ou idoso) dificilmente consegue ser beneficiada.

   Na resolução publicada, o governo municipal também incluiu nesse rol de possível beneficiários do programa idosos sozinhos com mais de 60 anos, moradores na capital.

   Ao todo, a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) está construindo na capital paulista 22 mil unidades do Minha Casa Minha Vida – a meta do governo é construir 55 mil até o final de 2016, para famílias que ganham menos de R$ 1.600 mensais. O programa do governo federal previa que o município parceiro nas obras poderia editar normas complementares para definir quem está em situação de vulnerabilidade na cidade.

Fonte: Estadão

Matéria extraída de Verdade Gospel