Desejando a você um 2015 abençoado… e com muitas possibilidades

DA REDAÇÃO

Que tal sonhar mais um sonho? Caminhar por um novo caminho? Aceitar novos desafios?

Que tal fazer algo diferente, ainda mais empolgante? Que tal subir mais um degrau na escada, dar um passo adiante no caminho? Que tal abraçar com mais intensidade, sorrir com mais amor, apertar a mão de um modo diferente.

Que tal ler mais um livro, fazer mais um curso, aprender mais uma lição? Que tal ensinar o que você já sabe, compartilhar seus conhecimentos, trocar ideias?

Que tal amar ainda mais, viver ainda mais intensamente a vida que Deus dá, olhar com um toque de ternura?

Sempre há tempo para explorar novas possibilidades e ser uma pessoa diferente. E existe um novo tempo para se fazer tudo isso. Que tal nestes próximos doze meses?

Neste 2015, percorra um caminho diferente, explore as possibilidades. A mudança para um mundo melhor começa por você.

IEADERP – Desejando a você um 2015 abençoado… e com muitas possibilidades.

Veja 5 ideias para ajudar a pagar menos Imposto de Renda em 2015

G1

Até 31 de dezembro, o contribuinte pode recorrer a despesas dedutíveis para pagar menos imposto de renda ou aumentar o valor de sua restituição no Imposto de Renda 2015 (ano-calendário 2014). Gastos com saúde, educação e previdência privada podem ser abatidos da base de cálculo, mas nem todos são dedutíveis.

O especialista em imposto de renda e CEO da Sevilha Contabilidade, Vicente Sevilha Junior, explica que estes gastos só devem ser feitos se houver real necessidade de contraí-los. Não faz sentido, financeiramente, arrancar um dente só para reduzir a mordida do Leão em 2015.

“É possível antecipar gastos que só seriam feitos no começo de 2015”, sugere. Mas as despesas só serão deduzidas para o contribuinte que preenche a declaração pelo modelo completo. O simplificado, que tem o desconto fixo de 20% sobre o imposto devido, costuma ser mais vantajoso para quem tem despesas menores.

Além dos gastos dedutíveis, fazer doações ou um planejamento financeiro, em alguns casos, também permite reduzir a parcela do imposto paga no ano calendário de 2014. Confira a seguir as alternativas disponíveis para obter um desconto maior em 2015:

Matéria completa disponível em G1

Só 9,3% do 3º ano do ensino médio têm nível adequado de Matemática

MSN

Somente 9,3% dos estudantes do 3.º ano do ensino médio tiveram aprendizado considerado adequado em Matemática em 2013. Em Português, o porcentual foi de 27,2%. O número é inferior a 2011, quando 10,3% e 29,2%, respectivamente, atingiram as notas.

Os dados são de um levantamento feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE), com base na avaliação dos alunos aferida pela Prova Brasil e pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

 O levantamento é parte de uma das metas do movimento, o aprendizado adequado para o ano em que o aluno está. O objetivo é que, até 2022, o Brasil consiga universalizar a educação de qualidade. As médias intermediárias definidas pelo TPE, 28,3% em Matemática e 39% em Português, não foram atingidas em nenhum dos casos.

A unidade Federativa com melhor desempenho em Português foi o Distrito Federal, com 40,2%, 28 pontos porcentuais a mais do que o Maranhão, Estado com o pior desempenho (12,12%). Em Matemática, alunos do Distrito Federal mantêm o melhor desempenho (17%) e Roraima aparece com o pior (2,7%). Na edição de 2011, 12 Estados conseguiram atingir as metas intermediárias de Português, mas nenhum alcançou as notas em Matemática.

Fundamental. No 5.º ano, o número de alunos com aprendizado adequado saltou de 40%, em 2011, para 45,1% em 2013. Matemática acompanhou a melhora – de 36,3% para 39,5%. Mesmo assim, nenhuma das disciplinas atingiu as médias esperadas, 47,9% e 42,3% respectivamente.

No 9.º ano, as metas de 42,9% para Português e de 37,1% para Matemática também não foram atingidas e houve piora em Matemática, que oscilou de 16,9% para 16,4%. Em Português, foi de 27%, em 2011, para 28,7% em 2013.

Para a diretora do TPE, Priscila Cruz, os dados revelam que o modelo de ensino dos anos finais e do ensino médio é ruim. “Há poucos anos, todos os especialistas acreditaram que a melhora dos indicadores nos anos iniciais acabaria refletindo nos anos finais com o passar do tempo. Mas isso não está acontecendo porque nosso modelo é equivocado”, diz ela. “A proposta de reformulação do ensino médio ainda está muito concentrada em debater modelos e temos ainda pouca experimentação de modelos. Temos de mudar a escola, a sala de aula.”

Piora. Dados da Prova Brasil divulgados no início de dezembro mostraram que as redes de ensino ligadas às prefeituras registraram piora no 9.º ano – houve queda nas médias de Matemática e Português, na comparação entre 2011 e 2013. A rede concentra 56% dos alunos de ensino fundamental e 68% do total no primeiro ciclo.

As médias foram menores do que a brasileira e do que as notas das redes estaduais. Entre as 26 capitais brasileiras, 16 tiveram queda na nota de Matemática no fim do ensino fundamental. Em Português, foram 11 cidades.

Matéria disponível em MSN

Morre rinoceronte branco em San Diego: restam apenas 5 da espécie

G1

   Um dos seis únicos rinocerontes-brancos-do-norte do mundo morreu no final de semana em um zoológico de San Diego, nos Estados Unidos, deixando a espécie mais próxima da extinção, declararam autoridades do zoológico nesta segunda-feira (15).

   Angalifu, que tinha cerca de 44 anos e estava sendo tratado de problemas relacionados à idade, morreu no domingo, de acordo com o Zoo Safari Park de San Diego.

   Os únicos outros rinocerontes-brancos-do-norte sobreviventes conhecidos são uma fêmea idosa vivendo no mesmo local, outro em um zoológico na República Tcheca e três na África, informou o zoológico da Califórnia.

   “A morte de Angalifu é uma perda tremenda para todos nós”, disse Randy Rieches, curador dos mamíferos do zoológico. “Não somente porque ele era muito querido aqui, mas também porque sua morte deixa esta espécie maravilhosa um passo mais perto da extinção.”

Caça ilegal
Os rinocerontes-brancos-do-norte quase foram eliminados por causa da caça na África, declarou o zoológico, e Rieches disse que nenhum dos sobreviventes está em condições de reproduzir.

   Na natureza, os rinocerontes são mortos por seus chifres, que alguns povos acreditam ter propriedades medicinais.

   Rieches afirmou que só existem cerca de 30 mil rinocerontes de todos os tipos ainda vivos, e que a cada oito horas um é morto por caçadores.

Notícia disponível em G1

Não usa mais? Ajude o bazar da IEADERP

DA REDAÇÃO

   Se você possui roupas, móveis, CDs, eletrodomésticos, enxovais ou qualquer bem ou utensílio que não utiliza mais e que esteja em ótimo estado de conservação, faça uma doação para o bazar da IEADERP que ocorrerá dia 13 de dezembro de 2014 em prol do simpósio de mulheres que acontecerá em fevereiro de 2015. Sua doação será muito bem vinda.

Faça sua doação até o dia 10 de dezembro e participe, também, do bazar que ocorrerá em fevereiro de 2015.

Deus continuará abençoando sua vida.

Cearense acertou 95% do Enem

FANTÁSTICO

O Enem está cheio de boas histórias. Como essa de Fortaleza: João Victor foi um dos alunos que mais acertou questões no Enem. Quase a prova inteira. E sabe por quê? Por causa da paixão pelos livros.

Suely é a bibliotecária da escola, e todos os dias, várias horas por dia, ela vê o mesmo cara no fundo da biblioteca.

Fantástico: Quantos livros você já leu este ano?
João Victor Claudiano dos Santos: Uns 80, 90.

A obsessão pela leitura começou como uma espécie de defesa. É que ele sofreu muito bullying na escola.

Fantástico: Que tipo de bullying você sofria?
João: Vários. Minha magreza, minha altura, meu cabelo e a minha letra. Eu sempre sofria bullying, desde criança, e eu via no estudo, eu tirar notas boas, uma questão de eu ser superior.

Além de ler muito, João deu sorte de estudar em um colégio público que nos últimos anos passou a preparar os alunos para entrar na faculdade.

O resultado: em 2005, cinco alunos dessa escola foram aprovados na universidade. No ano passado foram 244 aprovados.

“Se você chegava em uma turma de 3º ano e perguntava quem acreditava que ia entrar na universidade, quatro ou cinco levantavam mão. Hoje, praticamente 100% dos estudantes acreditam, sim, que é possível se tornar universitário, mudar a sua vida e mudar a vida de sua família”, diz o professor Monteiro Firmino.

É claro que a implantação das cotas nas universidades para alunos de escolas públicas ajudou esse número a crescer, mas a história do João mostra que isso não é tudo. Ele é aluno do 2º ano. Fez o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, pela primeira vez. Semana passada, quando foi conferir o gabarito da prova, descobriu que tinha acertado 172 das 180 questões: 95%.

Fantástico: Você ficou impressionado com a sua nota no Enem?
João: Não fiquei impressionado. Eu fiquei impressionado com a repercussão disso. Nordestino, é tipo, 170 questões, cearense.

Mas João nunca deixou ninguém limitar seus horizontes. O João vem da escola todo dia a pé. É claro que isso não se apresentou como um grande obstáculo, mas todo mundo sabe que andar muito a pé, todo dia, tem as suas consequências.

João só faltou dois dias de aula este ano, justamente por causa da caminhada.

João: Eu sempre ia para a escola com ele. Teve um dia, com o tempo, que ele furou. Aqui o buraco.
Fantástico: E você parou de ir para escola?
João: Exatamente. Pelo fato de eu não ter nenhum outro calçado.

“Não era justo ele faltar por causa de um calçado. Eu coloquei na minha cabeça que não é por causa de um calçado que meu filho não vai realizar o sonho dele”, diz Ana Maria Claudiano dos Santos, mãe de João.

Ana deu um jeito de comprar um par de sapatos novos. Não foi a primeira vez que a mãe de cinco filhos teve que contornar um imprevisto para que eles pudessem estudar.

“A gente deixava de comprar mistura, carne. A gente comia ovo, mortadela, salsicha. Eu não tenho vergonha de dizer isso, eu não tenho vergonha de dizer que eu abria mão da nossa própria alimentação para investir no estudo dos meus filhos’, afirma.

Ela percebeu que os filhos respondiam ao incentivo. Sinais apareciam pela casa. “Um dia eu acordei e ele estava fazendo café e eu falei: ‘João, minha parede está toda riscada. O que é isso?’. ‘Mãe, a senhora não sabe, isso não é risco. É ciência’”, conta Ana.

Nas paredes da sala, fórmulas de química e física. “Eu não queria apenas ler, eu queria tocar, eu queria escrever, eu queria passar o dedo em cima, essas coisas”, diz João.

E não é que deu certo? “Essa aqui é a foto do meu primeiro jornal que eu comprei na minha vida! Eu tive tanto orgulho do meu filho estampado que eu cortei e coloquei na moldura”, diz Ana.

Ela nunca aprendeu a ler, trabalha desde muito cedo e criou os filhos sozinha. “Valeu a pena. Tudo o que você faz por um filho vale a pena”, diz.

João ainda não sabe se vai entrar na faculdade agora ou se vai cursar o 3º ano, mas duas escolas particulares de Fortaleza já ofereceram bolsas de estudo para ele e para os irmãos.

Agora João, em um feito quase inédito na vida dele, vai poder escolher. “Não me importa se você é classe média, classe alta ou classe baixa. Se mora no Sul, no Sudeste, Norte ou Nordeste. Se você estudou em escola pública ou particular. A vida é um ciclo, e mesmo que aconteçam coisas opostas ao que você quer, se você continuar querendo você vai conseguir”, diz João.

Matéria disponível em Fantástico