60 erros de português muito comuns no mundo do trabalho

EXAME.COM

São Paulo — Falar e escrever corretamente é obrigatório para se dar bem em qualquer profissão. Além de ter uma redação bem estruturada, é preciso dominar a norma culta do português para ser admitido em qualquer processo seletivo, manter-se empregado e alçar novas posições hierárquicas.

Apesar disso, os tropeços na língua são incrivelmente frequentes no mundo corporativo. E-mails, relatórios, artigos e apresentações estão infestados de erros de ortografia, sintaxe, regência, pontuação e conjugação verbal.

Para Rosângela Cremaschi, consultora empresarial na RC7 e professora de comunicação na FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), a insuficiência daeducação de base do brasileiro faz com que muita gente ingresse no mercado de trabalho com fortes dúvidas sobre o próprio idioma.

Quanto mais alto o cargo, piores são os efeitos dos “tropeços” para a imagem do profissional, diz Reinaldo Passadori, presidente do Instituto Passadori e especialista em comunicação verbal.

Para não cometer deslizes, é importante cultivar o hábito da leitura de livros, jornais, revistas e sites. Uma revisão cuidadosa e paciente dos seus textos também é fundamental para garantir a sua adequação às regras gramaticais.

Com a ajuda de Cremaschi e Passadori, reunimos 60 erros de português muito comuns no mundo do trabalho. Confira a seguir:

1. “São suficientes” / “É suficiente”

Erro: Cento e cinquenta dólares são suficientes para as diárias no exterior.
Forma correta:
Cento e cinquenta dólares é suficiente para as diárias no exterior.
Explicação:
O verbo ser é invariável quando indicar quantidade, peso, medida ou preço.

2. “Em vez de” / “Ao invés de”

Erro: Ao invés de mandar um e-mail, resolvi telefonar.
Forma correta:
Em vez de mandar um e-mail, resolvi telefonar.
Explicação:
“Em vez de” é usado como substituição, enquanto a expressão “ao invés de” é usada como oposição.

3. “A nível de” / “Em nível de”

Erro: A nível de proposta, o assunto deve ser mais discutido”
Forma correta:
Em relação à proposta, o assunto deve ser mais discutido.
Explicação:
A expressão “a nível de” só está correta quando significar “à mesma altura”. “Hoje, Santos acordou ao nível do mar”. Também podemos usar a expressão “em nível” sempre que houver “níveis”: “Esse problema só pode ser resolvido em nível de diretoria”.

4. “A meu ver” / “Ao meu ver”

Erro: “Ao meu ver, o evento foi um sucesso”.
Forma correta:
“ A meu ver, o evento foi um sucesso”.
Explicação: Não se deve usar artigo nessas expressões, em que o substantivo ver significa “opinião, juízo”: a meu ver, a seu ver, a nosso ver. Também não se usa artigo em estar a par: Estavam todos a par (e não ao par) dos últimos acontecimentos.

Matéria completa disponível em EXAME.COM

Anúncios

Veja 5 ideias para ajudar a pagar menos Imposto de Renda em 2015

G1

Até 31 de dezembro, o contribuinte pode recorrer a despesas dedutíveis para pagar menos imposto de renda ou aumentar o valor de sua restituição no Imposto de Renda 2015 (ano-calendário 2014). Gastos com saúde, educação e previdência privada podem ser abatidos da base de cálculo, mas nem todos são dedutíveis.

O especialista em imposto de renda e CEO da Sevilha Contabilidade, Vicente Sevilha Junior, explica que estes gastos só devem ser feitos se houver real necessidade de contraí-los. Não faz sentido, financeiramente, arrancar um dente só para reduzir a mordida do Leão em 2015.

“É possível antecipar gastos que só seriam feitos no começo de 2015”, sugere. Mas as despesas só serão deduzidas para o contribuinte que preenche a declaração pelo modelo completo. O simplificado, que tem o desconto fixo de 20% sobre o imposto devido, costuma ser mais vantajoso para quem tem despesas menores.

Além dos gastos dedutíveis, fazer doações ou um planejamento financeiro, em alguns casos, também permite reduzir a parcela do imposto paga no ano calendário de 2014. Confira a seguir as alternativas disponíveis para obter um desconto maior em 2015:

Matéria completa disponível em G1