Estudo científico comprova que ir à igreja assiduamente ajuda fiéis a viverem mais e melhor

GOSPEL MAIS

Muitos fiéis afirmam que frequentam cultos porque isso os ajuda a se manterem com os pés no chão a respeito da vida e recebem orientação espiritual. No entanto, um benefício oculto vem no pacote: a frequência regular também pode ajudar a aumentar a longevidade, aponta um estudo.

Os pesquisadores analisaram dados de quase 75 mil enfermeiras de meia-idade nos Estados Unidos como parte do Estudo de Saúde das Enfermeiras. Os participantes foram questionados se eles frequentaram cultos regularmente a cada quatro anos entre 1992 e 2012, além de outros aspectos de suas vidas ao longo dos anos.

Ao final, foi descoberto que as mulheres que iam à igreja mais de uma vez por semana tiveram um risco 33% menor de morrer durante o período de estudo, em comparação com aqueles que disseram que nunca foram frequentadores assíduos.

O estudo relacionou, também que o hábito de ir à igreja está associado com um menor risco de morte em comparação a quem não vai. Quem ia uma ou mais vezes por semana aos cultos, tinham risco 26% menor, enquanto os voluntários que iam uma ou mais vezes por mês tinham risco 13% menor, comparando com os que não tinham o hábito de frequentar cultos.

As mulheres que frequentavam os cultos regularmente também tiveram taxas mais altas de apoio social e otimismo, tiveram menores taxas de depressão e eram menos propensas a fumar. No entanto, os pesquisadores levaram em conta estas diferenças entre fiéis e não-fiéis quando eles calcularam a diminuição das taxas de mortalidade de 13% para 33%.

“Ir à igreja pode ter uma série de benefícios adicionais, que podem, por sua vez, melhorar a longevidade, mas os pesquisadores não puderam apontar relações diretas entre a frequência e os os demais benefícios. A presença na comunidade religiosa poderia promover a autodisciplina e um senso de significado e propósito na vida, ou poderia fornecer uma experiência sobrenatural”, afirmou Tyler J. VanderWeele, professor de epidemiologia na Harvard T.H. Chan School of Public Health.

“Nosso estudo sugere que para a saúde, os benefícios superam os efeitos potencialmente negativos, como a culpa, ansiedade ou [possível] intolerância”, disse VanderWeele, segundo informações da CNN.

A maioria das mulheres no estudo eram protestantes ou católicas, por isso não está claro se uma associação semelhante seria encontrada entre participação em cultos religiosos e longevidade para as pessoas de outras religiões cristãs, o judaísmo ou o islamismo.

O estudo também não explorou a associação em homens. “Pesquisas anteriores sugerem que fiéis do sexo masculino também se beneficiam, embora a sua diminuição na taxa de morte não é tão grande quanto entre as mulheres”, disse VanderWeele.

“Tem havido literalmente milhares de estudos” investigando se a religião é boa para sua saúde, disse o doutor Dan German Blazer II, professor de psiquiatria e ciências comportamentais na Duke University Medical Center. Os resultados têm sido mistos sobre se os aspectos da devoção religiosa como a oração e espiritualidade – como ler a Bíblia ou outra literatura religiosa – melhorar a longevidade.

Matéria completa disponível em Gospel Mais

Florestas tropicais correm risco de desaparecer, diz estudo

UOL

A Terra perdeu “mais de 18 milhões de hectares de florestas” em 2014, duas vezes a área de Portugal, segundo o World Resources Institute (WRI), um centro de pesquisas com sede em Washington – num estudo publicado nesta quarta-feira (2).

Somente os países tropicais perderam 9,9 milhões de hectares, onde o desmatamento avança, segundo o WRI.

Em especial em diversos países do oeste da África, da região do rio Mekong e da região do Grande Chaco na América Latina são afetados por este desaparecimento das florestas, vítimas da expansão das atividades econômicas, alertou o estudo.

A publicação deste documento ocorreu enquanto é realizada em Bonn uma nova rodada de negociações que antecedem a grande conferência da ONU sobre o aquecimento climático que ocorrerá em Paris de 30 de novembro a 11 de dezembro.

O desmatamento contribui para as mudanças climáticas na medida em que destrói o “sequestro de carbono” que ocorre nas florestas.

Nos países tropicais o desmatamento se estende para além do Brasil, que conseguiu diminuir o problema em 70% na Amazônia nos últimos anos, e da Indonésia, que recentemente adotou medidas para impedir novas derrubadas.

Na verdade, mais de 62% do desmatamento tropical constatado em 2014 ocorreu fora destes dois países, contra 47% em 2001.

A situação é “especialmente preocupante” no Camboja, país onde o desmatamento ganhou mais velocidade entre 2001 e 2014, segundo o WRI. O país perdeu em 2014 uma área quatro vezes maior que em 2001.

Os pesquisadores estabeleceram “uma forte correlação” entre a diminuição das zonas de florestas e a alta do preço da borracha no mercado mundial, no conjunto dos países do Mekong, onde a indústria da borracha se desenvolve em detrimento da floresta.

Diversos países africanos (Serra Leoa, Libéria, Guiné, Guiné Bissau) assim como Madagascar aparecem entre os que tiveram desflorestamento mais rapidamente.

A República Democrática do Congo, a República do Congo, Camarões, a República Centro-Africana e o Gabão também tiveram uma redução da área de suas florestas, fruto especialmente da exploração do óleo de palma e da madeira.

Na América Latina, as florestas da região do Grande Chaco, no Paraguai, na Argentina e na Bolívia “desaparecem rapidamente”, vítimas da pecuária e do cultivo da soja, constatou o WRI.

Fonte: UOL

Fumo passivo causa danos irreversíveis ao organismo das crianças

VERDADE GOSPEL

   O prejuízo do cigarro à saúde das crianças – vítimas do fumo passivo – é algo que já vem sendo provado há muito tempo pela ciência. No entanto, um novo estudo publicado na “European Heart Journal” traz novos dados sobre o risco que as crianças correm ao conviverem com adultos fumantes. De acordo com a pesquisa, o problema causa danos irreversíveis às artérias de crianças, tornando os vasos sanguíneos até três anos mais “velhos” do que se não estivessem expostos à fumaça.

   Esse “envelhecimento”, segundo a BBC News, engrossa as paredes das artérias, o que eleva o risco de ataques cardíacos e enfartes na idade adulta.

   O estudo analisou mais de 2 mil crianças com idades entre 3 e 18 anos na Finlândia e na Austrália e concluiu que esse tipo de dano ocorria quando pai e mãe fumavam. “Nosso trabalho mostra que a exposição ao fumo passivo na infância causa um dano direto e irreversível à estrutura das artérias”, disse à BBC a coordenadora do estudo, Seana Gall, da Universidade da Tasmânia (Austrália).

   Pais ou casais que pensam em ter filhos devem parar de fumar, não apenas para recuperar sua própria saúde, mas para proteger a saúde dos filhos no futuro.

Matéria completa disponível em Verdade Gospel

Falta de atividade física pode matar, alerta especialista

FOLHA GOSPEL

   Embora nunca tenha se falado tanto sobre vida saudável como hoje, é contraditório o aumento do número de pessoas sedentárias, que não gastam o que consomem. Em 2004, o sedentarismo era o quarto fator de risco e hoje é o segundo, perdendo apenas para a hipertensão arterial. “Isso acontece porque não há uma percepção de que o sedentarismo mata. Para as pessoas, o que mata é a hipertensão, o diabetes e o câncer”, afirma a médica Sandra Matsudo, do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs).

Nos tempos atuais, gasta-se uma caloria a cada sete consumidas. Na Era Paleolítica, essa relação era de uma gasta a cada três consumidas. “Acredito no equilíbrio. As pessoas têm que buscar o seu balanço energético, ou seja, gastar o que consomem. Não tem mágica para isso, é uma simples soma”, resume ela.

Segundo a especialista, o estilo de vida é responsável por 50% das causas das principais doenças que mais matam, como infarto, AVC e câncer. “Temos 50% de chance de evitar essas doenças. Basta optar por mudanças de hábitos que incluam atividades físicas”, avalia.

A recomendação é de pelo menos 30 minutos de atividade física moderada, de forma contínua ou acumulada – duas sessões de 15 minutos ou três sessões de 10 – pelo menos cinco vezes por semana.

“Essa rotina diminui em 84% os riscos de infarto e em 36% os casos de câncer, além de reduzir os riscos cardiovasculares e de hipertensão, mesmo no caso de fumantes”, ressalta.

A má notícia é que mesmo quem faz atividade física regularmente deve se preocupar com o tempo que permanece sentado ao longo do dia. Dados recentes mostram que esses casos apresentam um aumento de 40% nos fatores de risco de doenças cardiovasculares.

Segundo uma pesquisa, uma média de seis horas todos os dias sentado em frente ao computador ou à TV corresponde a cinco anos a menos de expectativa de vida. “A orientação é se movimentar por 10 minutos a cada uma hora sentado. Atender ao telefone andando ou colocar o notebook numa mesa mais alta para digitar em pé são boas dicas para quem trabalha em escritório”, sugere.

Fonte: EFE

Disponível em Folha Gospel

Frequentadores de igrejas pirateiam menos, aponta estudo

FOLHA GOSPEL

   Ser um religioso praticante, que vai à igreja regularmente, torna as pessoas – ao menos as inglesas – menos dispostas a piratear.

Foi essa a conclusão de um estudo feito por pesquisadores na Universidade de Manchester, na Inglaterra, que analisou o comportamento de 1.124 indivíduos na faixa de 18 a 34 anos.

As informações são do site TorrentFreak, que diz que a ideia dos pesquisadores era relacionar as visitas a templos e igrejas à prática de pequenos crimes. Na lista, estava não só o download ilegal de músicas, como também o uso de drogas e até furtos em lojas.

Especificamente no caso da pirataria, a todos os entrevistados foram feitas perguntas pra descobrir se eles já haviam baixado arquivos de áudio de graça previamente. Promoções e presentes foram obviamente desconsiderados, e os dados foram comparados com a frequência de visitação a “estabelecimentos religiosos”.

O resultado mostrou que, quanto mais as pessoas iam a esses lugares, menor era a tendência a cometer os tais “pequenos crimes”, incluindo o de piratear músicas. Segundo o estudante de PhD e coordenador da pesquisa Mark Litter, a justificativa estaria no fato de a prática religiosa expor as pessoas a normas para um comportamento mais correto.

No entanto, na entrevista ao TorrentFreak, ele ressalta que isso não é exclusividade das igrejas e templos, e outras atividades e ações também podem “exercer um papel similar”. O estudo completo e seus resultados, segundo o site, serão liberados ainda em 2014.

Fonte: INFO

Matéria disponível em Folha Gospel

Pessoas religiosas têm cérebro mais forte e maior proteção contra a depressão, diz pesquisa

VERDADE GOSPEL

   Os pesquisadores estudaram pessoas com histórico familiar de depressão e descobriram que, nas religiosas, o córtex, camada externa do cérebro, era mais espesso que em pessoas não religiosas. Esse espessamento relacionado à religião, segundo eles, pode oferecer proteção contra a doença.

   “Nossas crenças e nossos humores são refletidos no cérebro, e com novas técnicas de imagem já é possível observá-los”, disse à Reuters Health Myrna Weissman, professora de psiquiatria e epidemiologia da Universidade de Columbia. “O cérebro é um órgão fantástico. Não só nos controla, mas é controlado por nossos humores”.

   Enquanto o estudo sugere uma relação entre a densidade do cérebro e espiritualidade, não se pode dizer que o espessamento cause a religiosidade nas pessoas, observaram os pesquisadores na revista “JAMA Psychiatry”. Mas deve servir para dar pistas, entretanto, de que ser religioso pode aumentar a resiliência do cérebro contra a depressão de forma física.

   Antes deste estudo, os pesquisadores já tinham descoberto que pessoas que se diziam religiosas tinham menos risco de entrar em depressão, e que pessoas com maior propensão à doença tinham o córtex mais fino comparadas às que tinham menor risco.

   Neste estudo os pesquisadores perguntaram duas vezes a 103 adultos com idades entre 18 e 54 anos o quão importante eram, para eles, religião e espiritualidade, e com que frequência eles tinham ido a missas, cultos, e outras reuniões religiosas em cinco anos. Além das entrevistas, imagens dos cérebros desses voluntários foram observadas para analisar a espessura de seus córtex. Todos os participantes eram filhos ou netos de pessoas que já tinham participado de um estudo anterior sobre depressão.

   Os pesquisadores descobriram que a importância da religião ou espiritualidade de um indivíduo – mas não a frequência às reuniões religiosas – estava relacionada ao córtex mais espesso. O link foi mais forte entre aqueles com alto risco de depressão.

   “O que estamos fazendo agora é olhar para a estabilidade do estudo”, disse Weissman, que também é chefe do Departamento de Epidemiologia Clínica Genética do Instituto Psiquiátrico do Estado de Nova York.

   A equipe da pesquisadora está tomando mais imagens dos cérebros dos participantes para ver se o tamanho do córtex muda com sua espiritualidade. “Esta é uma maneira de replicar e validar os resultados”, explicou.

    Fonte: O Globo

 

Matéria disponível em Verdade Gospel

Amanhã começa a 13º EBO

DA REDAÇÃO

     Amanhã, dia 06, inicia-se a 13º Escola Bíblica de Obreiros no Templo Sede da IEADERP. Com cinco dias de estudos e aprendizagem, e escola receberá pastores conhecidos das Assembleias de Deus no Brasil. Robson Brito, de Maringá, Ival teodoro, de São José dos Pinhais, Isaías Souza, de Foz do Iguaçu, e Cláudio Gama, do Rio de Janeiro,já confirmaram presença.

     Seja participante desse encontro, venha para a Escola Bíblica de Obreiros você também.

     Será nos dias 6, 7, 8, 9 e 10 de novembro de 2013, no Templo Sede da IEADERP, na Rua Alvares de Azevedo, 635, na Vila Tibério, Ribeirão Preto – SP.

      Deus toca, a IEADERP promove e você participa.

      13º Escola Bíblica de Obreiros, aqui na IEADERP

Estudo demonstra pela primeira vez que beber água emagrece

FOLHA GOSPEL

     Uma equipe de cientistas alemães demonstrou pela primeira vez que, como assegura a tradição popular, beber água emagrece.

     Uma pesquisa clínica da universidade Charité de Berlim publicada nesta quinta-feira (29) na revista American Journal of Clinical Nutrition assegura que a ingestão de água reforça os efeitos de uma dieta de emagrecimento.

“Apesar de nas dietas normalmente ser recomendado beber muita água, até agora não havia nenhuma recomendação com base científica”, disse o responsável da equipe de pesquisa, Rebecca Muckelbauer.

A partir da análise de cerca de 5.000 referências de diferentes bancos de dados de artigos científicos, os especialistas puderam comprovar que beber água efetivamente acelera os processos de emagrecimento quando se está fazendo uma dieta.

O estudo destaca a conclusão de uma série de dados sobre o sucesso de uma dieta em um grupo de idosos que aumentaram seu consumo médio de água.

As pessoas estudadas que aumentaram em um litro ao dia seu consumo de água emagreceram entre um e dois quilogramas a mais que o grupo de controle, que manteve sem alteração a quantidade de líquido que bebia.

O efeito de emagrecimento da água em combinação com uma dieta pode acontecer, segundo os cientistas, à simples sensação física de saciedade com a ingestão do líquido e à aceleração do metabolismo.

Fonte: UOL

Matéria disponível em Folha Gospel

Jovem evangélico paga faculdade de direito com trabalho de engraxate e agora estuda para se tornar promotor de Justiça

GOSPEL MAIS

     O jovem evangélico Joaquim Pereira, de 24 anos, demonstrou ser um exemplo de determinação e esforço ao pagar sua faculdade de direito com o que ganha trabalhando como engraxate em Goiânia.

     O jovem deixou a cidade de Monte de Alegre de Goiás, na região nordeste do estado, em 2006, e desde então tem trabalhado em busca de um futuro melhor. Ele conta que começou a trabalhar em uma fábrica de enxovais, mas percebeu que precisava buscar algo mais para melhorar de vida.

     – Vim pra trabalhar. Depois, vi que precisava estudar para crescer, para ter um emprego melhor – conta o jovem.

     Insatisfeito com o emprego, ele decidiu, em um sábado, ir para as ruas de Goiânia e ver como se sairia de engraxate, profissão que havia aprendido aos 11 anos em Monte Alegre. As pessoas para quem engraxou sem cobrar nada nas primeiras vezes se tornaram seus clientes, e a simpatia e a abordagem especial atraíram muitos outros e fez com que ele ficasse conhecido nos locais onde trabalha como na Praça Cívica, onde está o Centro Administrativo do Governo de Goiás.

     Depois de um ano limpando sapatos, com o convívio de seus clientes, Joaquim decidiu que entraria para uma faculdade de direito.

     – Vendo o dia a dia dos advogados e conversando com eles, concluí que queria ser um deles. Falavam que eu não daria conta de terminar, que era muito difícil e caro – afirma sobre sua decisão o jovem, que persistiu com o sonho de se formar, passou no vestibular e começou, em 2008, o curso de direito em uma instituição de ensino particular.

     Apesar das dificuldades, como ter tirado zero na primeira prova que fez na faculdade, ele conta que estudava de manhã, e à tarde ia trabalhar como engraxate até às 19h, pois precisava ganhar dinheiro para pagar o curso. O bacharel em direito afirma ainda que separava um tempo para tocar violão e estudar música para cantar na igreja.

     – Tem que ter disciplina para ter tempo de fazer tudo – ensina.

     Já formado, Joaquim continua com seu trabalho de engraxar sapatos nas ruas de Goiânia, e conquistou a admiração de seus clientes.

     – Ele é um exemplo de que nada é impossível. Poucas pessoas têm a capacidade e o esforço de concluir um curso superior engraxando sapato – ressalta o advogado Aldemir Leão da Silva.

     De acordo com o G1, o objetivo de Joaquim agora é passar no exame da OAB para ter seu registro de advogado e poder exercer a profissão que escolheu e, depois de fazer a prova, começar uma pós-graduação. Joaquim ganhou bolsa integral da especialização, que, se ele fosse pagar, custaria cerca de R$ 9 mil. O objetivo do jovem evangélico é se tornar um promotor de Justiça.

     – Vou continuar estudando cada vez mais para passar em um concurso e ser promotor – afirma.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Matéria disponível em Gospel Mais

Estudioso afirma que boa relação com os pais facilita contato das crianças com a religião

GOSPEL MAIS

     Atualmente no Brasil o ensino religioso é uma disciplina facultativa nas escolas. Antes abordada como um ensino confessional, a religião é agora tratada nas escolas de forma para abranger o sincretismo religioso brasileiro, e busca o estudo de variadas religiões, do catolicismo ao candomblé, do espiritismo às crenças orientais.

     Porém, de acordo com o professor César Leandro Ribeiro, coordenador do Departamento de Teologia da PUC-PR, essa mudança de currículo escolar não traz um grande impacto para a religiosidade dessas crianças pois, segundo Ribeiro, essa é mais influenciada pelos pais do que pelo ensino formal.

   O professor explica que se a criança vai ter seu primeiro contato com a religião como algo positivo ou negativo, depende da significação que ela vai dar às descobertas, ressaltando que uma boa relação da criança com os pais ou com figuras de autoridade torna mais fácil a aceitação da religião.

  – A religiosidade está intimamente atrelada à experiência – comenta Ribeiro, ressaltando que há uma projeção da imagem da autoridade na imagem de Deus.

    César Ribeiro destaca, porém, que o oposto também acontece e que relações familiares negativas podem afastar os jovens da religião.

     Ribeiro falou também, segundo o portal Terra, sobre a forma que o ensino religioso está estruturado hoje na educação formal. Explicando que atualmente a maioria das escolas trabalha com o tema sem ensinar especificamente uma religião, o estudioso destaca que existe resistência a essas mudanças por grupos que defendem a volta do ensino confessional, nos moldes de pastorais, que atuam mais no campo da ação. A ação pastoral está associada ao catolicismo e é a forma que a igreja encontra de sair do campo das ideias e prestar serviços à comunidade.

     O professor explica ainda que outra problemática se apresenta pelo fato de muitas instituições de ensino no Brasil serem católicas ou de alguma ordem religiosa específica. Como o colégio ensina diferentes crenças às crianças. De acordo com Ribeiro, o mais importante é que se valorize o respeito.

   – Se alguma escola católica age com preconceito em relação a algum aluno de outra religião, está indo contra seus próprios princípios; não está sendo cristã – diz Ribeiro, que afirma que se deve buscar um meio-termo e fugir de extremismos.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Matéria disponível em GOSPEL MAIS