Hospital Beneficência Portuguesa mantém suspensão de serviços

A CIDADE

A Prefeitura de Ribeirão Preto repassou ontem cerca de R$ 500 mil para o hospital Beneficência Portuguesa. O valor, porém, é insuficiente para saldar as dívidas da instituição, que deverá manter a paralisação dos atendimentos ambulatoriais e das cirurgias eletivas a partir dessa segunda-feira, conforme o A Cidade noticiou ontem.

“Esse repasse não vai resolver os problemas. É referente a janeiro. Não representa nem metade do atrasado”, destaca Ricardo Marques, administrador da Beneficência Portuguesa.

Ele diz que a dívida da Prefeitura com o hospital está em R$ 2 milhões. “Não consigo acertar nem as folhas de pagamento”.

A Prefeitura também repassou ontem à Santa Casa e ao hospital Santa Lydia parte dos aportes mensais atrasados.

A assessoria da Santa Casa informou que apenas a parcela de fevereiro foi repassada, no valor de R$ 472 mil. A dívida total seria de R$ 1,4 milhão. As parcelas de março e abril ainda estão atrasadas e, na próxima semana, a Prefeitura deve repassar a parcela de maio. A Beneficiência e a Santa Casa procuraram o Ministério Público para resolver a situação.

Matéria completa disponível em Jornal A Cidade

Médicos implantam mão de paciente na perna por 1 mês

TERRA

   Em um hospital de Changde, os médicos se disseram incapazes de reimplantar a mão e o encaminharam a um hospital maior, em Changsha.

  Os cirurgiões afirmaram que poderiam fazer a cirurgia, mas não no momento devido aos ferimentos do chinês. Eles então implantaram a mão na perna do paciente para que ela não morresse.

    “Seus ferimentos eram graves. Nós claramente tínhamos que tratar os ferimentos antes de fazer a cirurgia”, diz um dos médicos ao jornal.

    Um mês depois, Wei tinha se recuperado o suficiente para passar pela cirurgia. Apesar do sucesso do reimplante, ele ainda precisará de outras cirurgias. Os médicos, contudo, estão confiantes de que ele se recuperará plenamente.

Matéria disponível em: Terra

Dárcy segue em estado grave, porém estável, diz hospital de Brasília

A CIDADE

     A prefeita Dárcy Vera (PSD) permanece internada em estado grave, porém estável, na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Santa Luzia, em Brasília (DF). A informação consta no último boletim médico divulgado nesta quarta-feira (15), às 18h30.

     A prefeita teve de ser internada às pressas na tarde de terça-feira, em decorrência de pielonefrite (infeção renal) – quadro evolutivo de uma infecção urinária. “Dárcy Vera mantém sua pressão arterial com uso de medicações, mas respira sem necessidade de aparelhos”, consta em boletim médico. Segundo o médico Marcelo Maia, que assina a nota, a prefeita está consciente e orientada. Porém, não há previsão de alta.

     Em um boletim anterior, divulgado às 12h30 desta quarta, o mesmo médico informou que o estado clínico de Dárcy havia piorado na madrugada, com evolução para sepse – quando há infecção generalizada. Em entrevista à EPTV, o secretário da Saúde, Stênio Miranda, que acompanha Dárcy em Brasília desde quarta, negou qualquer infecção generalizada. “É um quadro de infecção. Classificado, sim, como grave, mas não é uma infecção generalizada. Não é uma septcemia. Não estamos numa situação dessa”, disse.

     Segundo Stênio, a permanência de Dárcy na UTI será avaliada depois de ela permanecer 48h após aplicação dos medicamentos, de acordo com a evolução do estado de saúde. “Nas primeiras 48h ela ficará no hospital. Até amanhã [quinta-feira, dia 16], no final da tarde, início da noite, permanecerá aqui”. O secretário diz que não há intenção para transferi-la de Brasília para Ribeirão. Dárcy foi transferida para a UTI, às 23h09 de terça-feira, e desde então o seu quadro de saúde piorou.

No Senado

     Em Brasília para participar de reuniões organizadas pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), a prefeita decidiu procurar atendimento médico enquanto aguardava para falar com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB). Uma assessora que acompanhava Dárcy em Brasília disse que ela começou a se sentir muito mal. O primeiro atendimento médico ocorreu na enfermaria do Senado. De lá, a prefeita foi levada para o Hospital Santa Luzia.

Prefeita passa uma madrugada bastante difícil

     A prefeita Dárcy Vera teve nesta quarta uma madrugada bastante difícil. Isso porque o estado de saúde dela só piorou desde quando deu entrada no Hospital Santa Luzia, às 17h30, de terça-feira. Pelo histórico relatado pelo médico Marcelo Maia, a prefeita deu entrada no hospital com febre, frequência cardíaca alta, com foco inflamatório presumido nas vias urinárias. Às 23h09, segundo boletim médico, Dárcy foi transferida para a UTI após a constatação de alteração em seu estado de saúde. “Posteriormente, à 1h, foi constatada uma piora em seu estado clínico, com evolução para sepse. Ainda, em um diagnóstico topográfico, foi apresentado pielonefrite [infecção no rim] localizada à direita”, consta em boletim.

     O primeiro médico a atender Dárcy no Senado foi o clínico e cardiologista Ivan Pereira Penna. Em entrevista ao A Cidade, ele disse que a prefeita procurou a enfermaria com febre e dores nas costas. “Suspeitamos de pielonefrite e a encaminhamos ao hospital com urgência.”

Matéria disponível em Jornal A CIDADE

Estado de saúde da prefeita Dárcy Vera é grave, informa assessoria

G1

     A assessora de gabinete de Dárcy Vera (PSD), Amanda Martins, confirmou na noite desta terça-feira (14) que o estado de saúde da prefeita de Ribeirão Preto (SP) é considerado grave. Segundo ela, a chefe do Executivo municipal, internada após uma indisposição durante visita a Brasília (DF), está com uma infecção generalizada e foi encaminhada para observação na UTI do Hospital Santa Luzia. A reportagem não conseguiu falar com a equipe do hospital até a publicação desta matéria.

     Em Brasília para participar da Frente Nacional dos Prefeitos, Dárcy tinha sido encaminhada para atendimento médico logo depois do almoço, em razão de uma suspeita de infecção urinária. Atendida inicialmente em um centro médico do Senado, a prefeita cancelou sua agenda política e foi transferida para o Hospital Santa Luzia após apresentar febre de 39 graus, alta frequência cardíaca, pressão baixa, dor de cabeça e calafrios, informou sua assessoria de gabinete. “Ela já não estava bem de manhã”, disse Amanda Martins.

     Desde então, o quadro clínico da prefeita se agravou, segundo Amanda, e Dárcy terá que ficar ao menos até quinta-feira (16) em observação. “A infecção foi para o sangue. Por conta disso, ela terá que ficar isolada na UTI pelas próximas 48 horas”, afirmou, por telefone, ao G1. De acordo com a assessora, Dárcy está consciente e está tomando antibióticos.

Matéria disponível em G1