Inscrições para o Sisu começam nesta segunda-feira (8)

A CIDADE

   As inscrições para a edição de segundo semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) começam nesta segunda-feira, 8. A plataforma digital do Ministério da Educação (MEC) reúne cerca de 55,7 mil vagas em 72 instituições públicas de ensino superior. O cadastro deve ser feito na página eletrônica do Sisu.

   Há cadeiras disponíveis em todos os Estados, com exceção do Amazonas e de Mato Grosso. O prazo para cadastro é até às 23h59 de quarta-feira, 10. A consulta de vagas também pode ser feita na página eletrônica do sistema ou por um aplicativo do MEC.

   Para concorrer às vagas, o candidato precisa ter feito a edição de 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Também não pode ter zerado a redação do exame. Na hora da inscrição, o estudante deve escolher, por ordem de preferência, até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu. Também deve definir se pretende concorrer às vagas de ampla concorrência ou àquelas reservadas, como determina a Lei de Cotas.

   Matéria completa disponível em Jornal A Cidade

Inscrições do Enem começam às 10h do dia 25 de maio

G1

   O Ministério da Educação publicou, na edição desta segunda-feira (18) do “Diário Oficial da União”, o edital com as regras da edição de 2015 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As provas serão realizadas em 24 e 25 de outubro, e as inscrições serão abertas às 10h da próxima segunda-feira, dia 25 de maio.

Matéria completa em G1

MEC cria regra para inibir faltas no Enem e aumenta taxa de inscrição

CORREIOS 24 HORAS

O Ministério da Educação (MEC vai criar regras para inibir o alto índice de faltas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Além disso, a taxa de inscrição no exame vai praticamente dobrar. As medidas surgem na esteira do reajuste fiscal do governo e do esforço da pasta para diminuir gastos.

As alterações devem ser comunicadas amanhã em Brasília, mas até esta quarta-feira, 13, não havia confirmação oficial sobre as novas regras. A nova taxa de inscrição deve ser de R$ 63. Desde 2004, o ministério cobra R$ 35. Mesmo depois de o exame ser transformado em vestibular para as universidades federais, em 2009, o valor não havia sido alterado.

Matéria completa disponível em Correio 24 Horas

MEC divulga nesta terça as notas de cada candidato do Enem 2014

G1

O Ministério da Educação vai liberar nesta terça-feira (13) a consulta individual das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014. O candidato deve acessar sua nota nos sites enem.inep.gov.br ou sistemasenem2.inep.gov.br/resultadosenem.O MEC não informou que horas a consulta estará disponível no sistema

Para ver sua nota, o candidato deverá inserir seu número de inscrição do Enem e a senha de acesso ou CPF e senha. Qualquer dúvida o candidato pode ligar para o telefone de auxílio do Enem: 0800 61 61 61.

O Enem foi realizado nos dias 8 e 9 de novembro de 2014. Cada um dos mais de 6,3 milhões de candidatos que fizeram as provas, poderá ver a nota que tirou nas provas objetivas (ciências humanas, ciências da natureza, linguagens e matemática), além da prova de redação.

Matéria completa disponível em G1

MEC confirma aumento de 13,01% no piso dos professores

EXAME.COM

Brasília – O ministro da Educação, Cid Gomes, fechou nesta terça-feira o aumento que o governo concederá para o piso dos professores neste ano.

O valor, segundo o Broadcast Político, serviço da Agência Estado de notícias em tempo real, antecipou, passará dos atuais R$ 1.697,00 para R$ 1.917,78, o que representa um aumento de 13,01%.

Segundo assessores da pasta ouvidos pela reportagem, “tradicionalmente”, o valor normalmente é “arredondado”.

Em razão disso, na prática, o piso deve passar para R$ 1.918.

Em nota, o MEC informa que o aumento será dado conforme determina a Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008.

“Conforme a legislação vigente, a correção do piso reflete a variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)”, diz o ministério em nota divulgada pela assessoria de imprensa.

Matéria completa em Exame.com

Faculdades brasileiras abrem curso a distância no exterior

FOLHA SP

JULIANA COISSI
DE RIBEIRÃO PRETO

Assim como muitas pessoas sem tempo para conciliar trabalho e aulas na faculdade, Quéli Lopes Ushiwata, 32, optou pelo ensino a distância e se matriculou numa universidade brasileira. A diferença é que, da sala de aula até sua casa, havia um oceano e milhares de quilômetros.

Entraves barram expansão do ensino a distância para o exterior

Quéli morava no Japão em 2009 quando iniciou o curso de pedagogia a distância da UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso) em uma turma que incluía 20 japoneses, argentinos e bolivianos residentes no Japão.

Moçambicanos, europeus e latinos também são alunos do Brasil sem sair de casa, tanto na graduação quanto na pós-graduação.
Segundo o Censo da Educação Superior de 2011, havia 1.266 estrangeiros em cursos de graduação a distância de universidades brasileiras.

A maioria assiste às aulas no exterior. Muitos deles são latinos, de acordo com Luiz Cláudio Costa, presidente do Inep –órgão responsável pelas estatísticas do Ministério da Educação.

Já para a pós, o governo não possui estimativa.

A graduação a distância para quem está no exterior ainda é novidade. Hoje, o governo têm duas experiências: no Japão e em Moçambique.

Leia mais na Folha SP

MEC disponibiliza a 2ª chamada para bolsas de estudos do Prouni

Resultado já pode ser consultado no site do programa.
Estudantes têm até o dia 19 de fevereiro para apresentar documentos.

Do G1, em São Paulo

 O Ministério da Educação disponibilizou na manhã desta sexta-feira (8) a consulta ao resultado da segunda chamada do Programa Universidade para Todos (Prouni). Para saber se o estudante foi contemplado com uma bolsa de estudo integral ou parcial (50% de desconto nas mensalidades) de uma universidade particular, é necessário acessar o site do Prouni, inserir o número de inscrição e a senha do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e digitar os caracteres que aparecem na tela.
Site do Prouni traz link de acesso à consulta ao resultado da segunda chamada (Foto: Reprodução)Site do Prouni traz link de acesso à consulta ao resultado da segunda chamada (Foto: Reprodução)

MEC disponibiliza redações do Enem online

   INFO EXAME

   Brasília – A partir de hoje (6), os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio 2012 (Enem) terão acesso à correção das redações. O estudante deverá acessar o site do Enem com o CPF ou o número de inscrição e a senha. As correções terão apenas finalidade pedagógica, ou seja, não serão passíveis de recurso.

   Ao todo, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) foram corrigidas 4.113.558 redações, das quais 1,82% estavam em branco e 1,76% obtiveram nota zero. Os candidatos já tiveram acesso às notas, divulgadas no dia 28 de dezembro do ano passado.

   No início do ano, estudantes de todas as regiões do país recorreram à Justiça para conseguir acesso à correção antes do período de inscrição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), pelo qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem. Casos como o de Thanisa Ferraz de Borba chegaram a ameaçar o cronograma do Sisu que, por decisão da Justiça Federal em Bagé, no Rio Grande do Sul, só poderia encerrar o prazo de inscrição após o julgamento da ação.

   No entanto, os tribunais regionais federais das diferentes regiões suspenderam as liminares que determinavam a vista antecipada dos espelhos de correção, entendendo que o edital do Enem prevê apenas a vista pedagógica e que leva em conta rigorosamente o previsto no termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado pelo Ministério da Educação com o Ministério Público Federal.

   Muitos estudantes sentiram-se injustiçados. Thais Bastos obteve a nota 400 na redação do Enem. “No ano passado, tirei 700. Neste ano, estudei muito mais, não posso ter ficado com essa nota”, disse. Além disso, ela comparou o que escreveu com redações disponíveis em revistas e manuais, “As redações que receberiam a nota que eu tirei continham erros de português e um vocabulário infantil”. Ela foi uma das que levaram o caso à Justiça e chegou a ganhar o direito da vista antecipada, até que o ministério recorreu e venceu.

   Thais deseja cursar engenharia química na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituição cujo ingresso é feito, para a maior parte das vagas, apenas pelo Sisu, com base na nota do Enem. Como o exame é anual, no segundo semestre a estudante concorrerá com a mesma nota que, segundo ela, é insuficiente. Mesmo que não esteja previsto no edital do exame, ela pretende entrar novamente com recurso, caso discorde da correção.

   Ela não está sozinha. No Facebook, mais de 3 mil usuários apoiam a página Ação Judicial – Enem. No espaço, trocam experiências e pedem modelos mais transparentes de seleção.

   Em nota, o MEC diz que os “critérios de correção das redações do Enem foram aperfeiçoados e são mais rigorosos”. Segundo a pasta, os textos produzidos pelos candidatos passaram por dois corretores de forma independente e foram avaliados segundo cinco itens de objetividade.

   Caso haja diferença maior que 20% na nota final entre esses dois corretores, a redação é lida por um terceiro corretor. E se, ainda assim, a discrepância persistir, ou seja, a diferença entre as três notas for superior a 200 pontos, a dissertação passa para uma banca examinadora composta por três professores avaliadores, que dão então a nota final ao participante.

   Os cinco itens de competência avaliados foram: domínio da língua portuguesa, compreensão do tema proposto, capacidade de selecionar e organizar ideias, demonstração de conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação e apresentação de solução para a proposta dissertativa.

   Cada um dos corretores atribuiu nota até 200 pontos para cada uma dessas competências. Havendo discrepância maior que 80 pontos em cada uma das competências, o terceiro corretor avalia e atribui notas segundo o mesmo critério.

Fonte: info.abril.com.br

Matéria completa disponível em INFO EXAME