Transplantes de medula podem ter risco de morte zero em breve

FOLHA GOSPEL

Transplantes de medula óssea que não requerem sessões de quimioterapia perigosas e frequentemente tóxicas poderiam ser possíveis em breve, disseram pesquisadores dos Estados Unidos na quarta-feira, após terem tido sucesso em experiências com ratos.

O método desenvolvido por uma equipe de cientistas da Universidade de Stanford imita a abordagem usada na imunoterapia, na qual pacientes com câncer são submetidos a um tratamento que treina seu sistema imunológico para atacar células tumorais.

Se funcionar em humanos, o método pode ajudar a aperfeiçoar tratamentos para lúpus, diabetes juvenil, esclerose múltipla, em transplantes de órgãos e até mesmo câncer.

“Não há quase nenhuma categoria de doença ou transplante de órgão que não seja impactada por esta pesquisa”, disse Irving Weissman, professor de patologia e de biologia do desenvolvimento em Stanford e coautor do artigo publicado nesta quarta-feira na revista Science Translational Medicine.

Atualmente, qualquer paciente que recebe um transplante de medula óssea – também conhecido como transplante de células estaminais – deve ser submetido a quimioterapia ou radioterapia para matar sua própria população de células estaminais do sangue antes.

Isso faz com que a operação seja perigosa e até fatal para até um em cada cinco pacientes. Danos em órgãos, nervos e cerebrais também podem ocorrer.

Assim, os pesquisadores desenvolveram uma nova abordagem que inclui agentes de anticorpos e biológicos que ajudaram o próprio sistema imunológico dos ratos a destruir suas células-tronco do sangue, abrindo caminho para as células transplantadas de um doador.

“Se isso funcionar em humanos como funcionou com os camundongos, seria de esperar que o risco de morte por transplante de células estaminais do sangue cairia de 20% para efetivamente zero”, disse a autora sênior do estudo, Judith Shizuru, professora de medicina na Universidade de Stanford.

Estão previstas pesquisas sobre o método em humanos.

Fonte: AFP

Matéria disponível em Folha Gospel

Pastores e políticos lamentam a morte de Eduardo Campos

FOLHA GOSPEL

A morte do candidato à presidência Eduardo Campos (PSB) num acidente aéreo foi amplamente lamentada nas redes sociais.

O pastor Marco Feliciano (PSC), que em algumas entrevistas demonstrava certa admiração pelo ex-governador pernambucano, usou o Twitter para prestar condolências à família: “Lamentável a tragédia ocorrida nesta manhã/SP, (sic) a queda da aeronave q conduzia o presidenciável Eduardo Campos. Que Deus conforte a família”, publicou.

O pastor Ricardo Gondim, líder da Igreja Betesda, também usou o Twitter para expressar o sentimento de tristeza pela morte do candidato: “Apresso-me em expressar meu profundo pesar à família de Eduardo Campos. @Silva_Marina receba meu carinho. #RIPEduardoCampos”.

A antipatia pelo PT levou o pastor Daniel Vieira, conhecido por ser um dos preletores do Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora, a cometer um ato de insensibilidade: “Morre Eduardo Campos, candidato a presidente. Hoje são 13, numero do PT. Deveria ter levado a DILMA!”, escreveu. A publicação foi prontamente repudiada por muitos internautas, inclusive o pastor Ricardo Gondim, que lamentou a postura: “Acabo de receber tuíte em que certo pastor goza a tragédia: ‘a morte bateu na porta errada’. A imbecilidade que o gerou o faz mostrar a cara”, disparou.

Ao notar seu equívoco, o pastor Daniel Vieira pediu perdão: “Errei ao fazer esse infeliz comentário, todavia, as reações calorosas e violentas em nada os faz (sic) melhores do que eu!! Perdão!”.

O pastor Silas Malafaia também se manifestou lamentando o fato através do Twitter: “Minhas condolências aos familiares de Eduardo Campos. Que Deus os conforte. Perdemos um grande Brasileiro. Tive a oportunidade de conversar com ele por mais de 5 horas, e vi um homem com a capacidade de enfrentar as demandas do nosso país”, escreveu o pastor, que antes de anunciar o apoio ao pastor Everaldo Pereira (PSC), havia comemorado a filiação de Marina Silva ao PSB e apoio da missionária a Eduardo com um irreverente “Chora PT”.

A cantora Cassiane também lamentou a morte do candidato: “Uma tragédia! Não só um ‘presidenciável’… Oremos pelos familiares…Tanto de Eduardo Campos como também de todos os outros tripulantes! Perda de homens, filhos, pais, irmãos… Que Deus os conforte!”, escreveu no Instagram.

Perplexidade

As reações no meio político foram de muito lamento e incredulidade com o fato. O candidato Aécio Neves (PSDB), que era adversário político de Campos, mas mantinha uma relação respeitosa com o ex-governador, cancelou toda a agenda política que tinha na Paraíba.

No Twitter, Aécio lamentou a perda: “O Brasil perde um dos seus mais talentosos políticos, que sempre lutou com idealismo por aquilo em que acreditava”, escreveu. Posteriormente, no Facebook, o candidato tucano classificou a perda como “irreparável”.

“É com imensa tristeza que recebi a notícia do acidente que vitimou o ex-governador e meu amigo Eduardo Campos. O Brasil perde um dos seus mais talentosos políticos, que sempre lutou com idealismo por aquilo em que acreditava. A perda é irreparável e incompreensível. Nesse momento, minha família e eu nos unimos em oração à família de Eduardo, seus amigos e a milhões de brasileiros que, com certeza, partilham a mesma perplexidade e pesar”, publicou.

Em entrevista ao Jornal Hoje, da TV Globo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que Eduardo Campos era um político “Uma perda grande, porque era um líder jovem, abria esperança para o Brasil, ganhasse ou não ganhasse as eleições. Ele me disse que seria candidato, e eu disse a ele que era importante renovar. Ele foi o tempo todo um candidato que respeitava os demais candidatos. Um homem que eu sempre respeitei”.

O Partido dos Trabalhadores também divulgou nota manifestando “profundo pesar” pela morte do candidato e afirmando que a campanha política do partido estava suspensa pelos próximos três dias, nos níveis municipais, estaduais e nacional, em sinal de luto pela morte de Campos.

A presidente Dilma Rousseff decretou luto oficial pelo mesmo período, e as bandeiras do Palácio do Planalto e da Praça dos Três Poderes foram hasteadas a meio mastro.

O deputado estadual Carlos Bezerra Jr (PSDB), evangélico, também lamentou a morte com uma nota de pesar: “’O homem, nascido de mulher, vive breve tempo, cheio de inquietação. Nasce como a flor e murcha, foge como a sombra e não permanece’. [Jó 14.1 e 2] Fiquei consternado ao receber a notícia do falecimento de Eduardo Campos, presidenciável do Partido Socialista Brasileiro (PSB). […] É preciso ter reverência diante do Eterno e do mistério insondável que é a dádiva da vida. Tudo o mais pode esperar. Hoje é dia de luto, de solidariedade, de inconformidade com a lógica da morte. Muito triste. O Brasil perde um dos grandes líderes da nova geração. Oro pedindo ao Consolador que abrace os familiares, equipe de campanha e minha irmã do coração Marina Silva, de forma especial nesse dia de dor. #Luto #RIP #EduardoCampos”.

Fonte: Gospel +

Matéria extraída de Folha Gospel

Comer 7 em vez de 5 porções de frutas e vegetais por dia reduz risco de morte

FOLHA GOSPEL

Comer sete ou mais porções de frutas, verduras e legumes por dia é mais saudável do que as cinco recomendadas pelos médicos e prolongaria a expectativa de vida, revela uma nova pesquisa.

Cada porção contém cerca de 80 gramas, equivalente a uma fruta grande ou um punhado de frutas ou verduras e legumes pequenos.

O estudo, feito com cerca de 65 mil homens e mulheres, sugere que quanto mais alimentos desse tipo as pessoas ingerirem, menos chances têm de morrer – em qualquer idade.

Entre os benefícios comprovados, está a redução do risco de câncer e de doenças cardíacas.

Os cientistas, da Universidade College de Londres, analisaram dados do National Health Survey entre 2001 e 2008, uma espécie de Censo da Saúde do Reino Unido, que coleta informações sobre a saúde dos britânicos por meio de questionários e visitas médicas, além da análise da dieta alimentar e do estilo de vida dos pacientes.

Além disso, os estudiosos avaliaram a mortalidade geral, além das mortes causadas por câncer, doenças cardíacas e derrame.

Eles descobriram que o risco de morte precoce provocada por qualquer uma dessas doenças caiu, ao passo que a ingestão de frutas e vegetais aumentou.

Ao longo da pesquisa, os cientistas descobriram que o risco de morte foi reduzido em:


14% se o indivíduo ingerir entre uma e três porções de frutas, verduras e legumes por dia 29% entre três e cinco 36% entre cinco e sete 42% para sete ou mais A pesquisa também constatou que vegetais frescos possuem um potencial maior de proteção, seguidos pelas saladas e depois pelas frutas.

Já o suco de frutas não oferece benefícios, enquanto que frutas enlatadas aumentam o risco de morte – possivelmente porque elas são armazenadas em uma calda de açúcar, dizem os pesquisadores.

Segundo Oyinlola Oyebode, responsável pela pesquisa, os benefícios para a saúde crescem à medida que mais porções de vegetais e frutas são ingeridas por dia.

Ela lembrou, no entanto, que mesmo pequenas frações são “melhor do que nada”.

A proteção que frutas e vegetais conferem ao organismo contra doenças está ligada a presença de antioxidantes, que curam os danos às células, acrescentou Oyebode.

Oyebode também afirmou que esses tipos de alimentos contêm micronutrientes e fibra, que são benéficos para a saúde.

Matéria completa extraída de Folha Gospel

Morre Hugo Chavez aos 58 anos

G1 GLOBO

     O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, morreu na tarde desta terça-feira (5), aos 58 anos, na capital Caracas, após mais de um ano e meio de luta contra o câncer.

     A morte ocorreu às 16h25 locais (17h55 de Brasília), segundo o vice-presidente Nicolás Maduro, herdeiro político de Chávez, que fez o anúncio em um pronunciamento ao vivo na TV.

   “Às 16h25 locais (17h55 de Brasília) de hoje 5 de março, faleceu o comandante presidente Hugo Chávez Frías”, disse Maduro, emocionado e cercado pelo ministério. “Nesta dor imensa desta tragédia histórica que hoje toca a nossa pátria, nós chamamos todos os compatriotas, homens, mulheres de todas as idades, a ser vigilantes da paz, do respeito, do amor, da tranquilidade desta pátria”, disse. “Pedimos ao nosso povo para canalizar nossa dor em paz e tranquilidade. Suas bandeiras serão erguidas com honra e com dignidade”, afirmou. “Vamos ser dignos herdeiros filhos de um homem gigante como foi e como sempre será na memória o comandante Hugo Chávez.”

    Chávez estava internado em um hospital militar na capital, Caracas. Na véspera, um boletim médico pessimista havia relatado uma piora no seu estado de saúde. Ao fazer o anúncio nesta terça, o vice Maduro afirmou que mandou as Forças Armadas para as ruas, para garantir a segurança.

    O clima da população na capital, Caracas, inicialmente era de apreensão e silêncio, à espera dos próximos acontecimentos. Após o anúncio da morte, uma grande confusão tomou as ruas, com filas nos postos de gasolina e temor de desabastecimento.

   A cúpula das Forças Armadas também apareceu na TV estatal, logo após Maduro parajurar lealdade ao vice e respeito à Constituição.

Sucessão
Com a morte de Chávez, a Constituição da Venezuela prevê a realização de novas eleições presidenciais no prazo de 30 dias. O chanceler Elías Jaua afirmou que Maduro assume o poder e que novas eleições serão convocadas para dentro de 30 dias. Espera-se que o Tribunal Supremo de Justiça, principal corte do país, pronuncie-se sobre os próximos passos da sucessão.

Matéria completa disponível em G1